Roma, Itália - O Papa Francisco pediu neste domingo, ante uma Basílica de São Pedro vazia, coragem para enfrentar a pandemia de coronavírus, que já causou a morte de 65 mil pessoas, enquanto uma luz de esperança surge na Espanha.

O chamado do sumo pontífice durante a missa do Domingo de Ramos foi feito depois que o presidente Donald Trump pediu aos americanos que se preparem para uma "semana horrível", e antes de um discurso incomum da rainha Elizabeth II, que pedirá hoje que os britânicos assumam, juntos, o "desafio" da pandemia.

"Olhem para os verdadeiros heróis que vêm à tona nestes dias. Não são os que têm fama, dinheiro e sucesso, e sim os que se entregam para servir aos demais", disse o Papa em uma basílica vazia, salvo por um punhado de religiosos, cada um sentado em um dos bancos.

Os números implacáveis da Covid-19 não param de crescer. Até hoje, havia mais de 1,2 milhão de infectados, em 190 países, e 65.272 mortos, segundo o último balanço da AFP. Mais de 47 mil mortos estão na Europa, e Espanha e Itália, os países mais atingidos, registram uma queda na chegada de doentes aos hospitais.

"Começamos a ver uma luz no fim do túnel", disse o chefe de governo espanhol, Pedro Sánchez, que prorrogou até 25 de abril o confinamento no país, que já dura três semanas. As cifras parecem sustentar sua esperança. O país observou hoje, pelo terceiro dia consecutivo, o registro diário mais baixo dos últimos 10 dias, com 674 mortos. Até agora, 12.418 pessoas perderam a vida para a Covid-19 na Espanha.

A Itália, que detém o recorde mundial de 15.362 mortos, também registrou avanços. Ontem, foram 681 mortos, uma queda de mais de 10%, e os pacientes em UTIs caíram para menos de 4 mil pela primeira vez desde o começo da crise. "É uma notícia importante, porque permite que nossos hospitais respirem", declarou o chefe da Defesa Civil italiana, Angelo Borrelli.

Ao contrário da Espanha e Itália, os Estados Unidos estão em plena explosão da doença, ultrapassando 310 mil casos e 8.500 mortos. O estado de Nova York, epicentro da crise naquele país, teve seu pior dia ontem, com 630 mortos. No Reino Unido, que ultrapassou 4.300 mortos, a situação é tal que a rainha pedirá hoje aos britânicos que enfrentem a crise com força, disciplina e companheirismo, em um discurso incomum à nação.

América Latina supera 30 mil casos
A pandemia também avança na América Latina, que registrava hoje quase 30.400 casos confirmados e 1.052 mortos. O Brasil registra um terço dos casos, 10.278, e o maior número de mortos, 432. O Chile (4.161 infectados e 27 mortos) se encontra em segundo lugar.

Na região, a doença teve cenas de horror no Equador (3.465 casos e quase 180 mortos), onde cerca de 150 corpos jaziam em residências e ruas da cidade de Guayaquil, em meio ao caos causado pelo colapso dos serviços funerários.

Assim como na África, na América Latina há países com sistemas de saúde frágeis ou deterioriados, e grande parte de sua população vive do setor informal, o que dificulta as medidas de confinamento.

Corrida contra o tempo
A pandemia tem sido tão devastadora, que, mesmo nos países mais ricos, faltam testes de diagnóstico, leitos de UTI e recursos humanos. "No começo, nos davam quatro luvas (para serem vestidas uma sobre as outras), agora dizem que duas são suficientes, mas eu visto três", conta uma enfermeira em um hospital de campanha erguido nos arredores de Madri.

Os países estão mergulhados em uma corrida contra o tempo. A competição é impiedosa, em um mundo onde as fronteiras voltaram a subir com rapidez. Os países mais pobres podem, apenas, assistir com impotência à esta luta feroz.

Depois de ser informado, inicialmente, que apenas equipes médicas deveriam cobrir a boca, Alemanha, França, Estados Unidos e outros países recomendaram, recentemente, o uso de máscaras como parte do leque de medidas para lutar contra a infecção, além do distanciamento social e da higiene frequente das mãos.

A França já encomendou quase 2 bilhões de máscaras à China, onde a pandemia teve início, e que retorna, lentamente, à normalidade. Além dos hospitais, o drama humano acontece também nos centros geriátricos e em outras instalações sanitárias. Das 7.560 mortes na França causadas pelo vírus, 2.028 ocorreram nestes centros não-hospitalares.

Mais preocupações  
Metade da humanidade está confinada, com grande custo para a economia mundial. O impacto social e econômico da pandemia segue brotando por todas as partes. Na Guatemala, o banco central informou que as remessas enviadas pelos emigrantes nos Estados Unidos começaram a diminuir. Uma refinaria no Equador suspendeu as operações por 14 dias.

A OMS afirma que "o pior está por vir" nos países em conflito ou onde há acampamentos de refugiados, geralmente lotados. Centenas de milhares de refugiados palestinos e sírios que vivem em acampamentos no Líbano, em meio à miséria, são muito vulneráveis ao novo coronavírus.

Agência France-Presse


Outras novas 11 cidades registraram casos confirmados da Covid-19 no Ceará, conforme aponta boletim epidemiológico da Secretaria da Saúde (Sesa), atualizado na manhã desta segunda-feira (6).
Fazem parte da nova lista as cidades de Iguatu (2), Limoeiro do Norte (2), Novo Oriente (2), Barreira (1), Catarina (1), Crateús (1), Fortim (1), Guaraciaba do Norte (1), Ipueiras (1), Quixeramobim (1) e Senador Pompeu (1).

O município de Eusébio, na Grande Fortaleza, entrou na lista da Sesa, mas foi retirado. Porém, neste último boletim, a cidade foi reincluída com dois casos confirmados da doença.

Do boletim de domingo (5) para o divulgado na manhã desta segunda, o número de casos confirmados do novo coronavírus em todo o Estado passou de 822 para 976; um aumento de 18,73%. O número de óbitos, no entanto, permaneceu o mesmo: 26. O total de suspeitos agora é de 3.720.
Fortaleza concentra o maior número de casos e já chega à marca de 872 infectados, segundo a plataforma IntegraSUS, utilizada pela Sesa para repassar os dados. Ontem, o número assinalado era de 744. Houve, portanto, um aumento de 128 casos, um avanço de 17,20%.

Além da capital cearense, já havia manifestações da Covid-19 nas cidades de Aquiraz (15); Sobral (10); Caucaia (9); Horizonte (6); Quixadá (4); Maracanaú (4); Juazeiro do Norte (3); Icó (3); Maranguape (3); Jaguaribe (2); Beberibe (1); Canindé (1); Farias Brito (1); Ipaporanga (1); Itaitinga (1); Itapajé (1); Itapipoca (1); Mauriti (1); Santa Quitéria (1); Tianguá (1) e Pedra Branca (1).

Pico de infecção
Um boletim produzido pela Rede CoVida, iniciativa da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), estima que o Ceará deve ser o primeiro Estado no País a atingir o nível máximo de infecções pelo novo coronavírus, a partir do dia 25 de abril. Já no início do mês, os cálculos estimam que o Estado terá 3.053 pessoas infectadas e deve ultrapassar o Rio de Janeiro (2.887) em número de casos, ficando atrás de São Paulo (11.684), na quarta-feira (8).

Novo decreto revogado
A pandemia do novo coronavírus tem gerado transtornos das mais diversas ordens no Estado. Após ter liberado o funcionamento de diversos setores da economia em novo decreto publicado no fim da noite deste domingo (5), o governador Camilo Santana (PT) resolveu anular os efeitos e continuar as proibições já implementadas nos textos anteriores. A primeira decisão, tomada no começo da noite de ontem (5), liberava 16 tipos de empresa à retomarem as atividades, na maioria indústrias.

Diário do Nordeste

O comunicado foi destacado ás 11 horas em boletim na página do Governo Municipal de Guaraciaba do Norte.


O município de Guaraciaba do Norte, na Serra da Ibiapaba, na região Noroeste do Ceará, 300 quilômetros de Fortaleza, confirmou o primeiro caso do novo coronavírus (COVID-19), o comunicado da Secretaria de Saúde do municipal, foi comunicado pela gestão da cidade.

Conforme a publicação que está na página da prefeitura, o primeiro caso foi confirmado, sete suspeitos estão aguardando os resultados dos exames e outros dois foram descartados. A atualização com a confirmação do primeiro caso do COVID-19 no município, foi comunicada ás 11 horas desta segunda-feira (6).

O município fica distante 22 quilômetros de Ipu. Na região, Ipueiras confirmou o primeiro caso com óbito de uma idosa de 83 anos.

A Prefeitura Municipal de Guaraciaba do Norte segue vigilante na prevenção do Coronavírus (COVID 19). Manteremos toda a população informada sobre o atual cenário epidemiológico no município.

Agradecemos a todos pela compreensão e colaboração, destacou em publicação.


Ipu Post

Pesquisadores alertam que a velocidade de propagação do vírus é alta no Estado e estimam que até o dia 8 deste mês serão mais de 3 mil casos da Covid-19, somando com os 824 infectados e 26 mortos divulgados até ontem


Um boletim produzido pela Rede CoVida, iniciativa da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), estima que o Ceará, atualmente, com 824 casos positivos, deve ser o primeiro Estado no País a atingir o nível máximo de infecções pelo novo coronavírus, a partir do dia 25 de abril. Já no início do mês, os cálculos estimam que o Estado terá 3.053 pessoas infectadas e deve ultrapassar o Rio de Janeiro (2.887) em número de casos, ficando atrás de São Paulo (11.684), na quarta-feira (8).

O cenário no País no dia 25 deste mês deve ser cerca de 21 mil pessoas infectadas pelo vírus Sars-CoV-2 e mais de 500 mortes pela doença, a Covid-19. As projeções dos pesquisadores, entre estatísticos, epidemiologistas, físicos, cientistas da computação, economistas e comunicólogos, além de outros profissionais, buscam contribuir para as ações de enfrentamento da doença com conhecimento. O grupo também tem apoio da Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Para o relatório, publicado nesta última semana, os cientistas calcularam o potencial de reprodução da doença como forma de identificar a velocidade com que o novo coronavírus se espalha nos estados brasileiros. São analisadas, assim, a taxa de transmissão e os registros de cura e de óbito nas localidades. Um dos fatores definidos é o de reprodução, R0 - acima de 1 indica que a propagação do vírus está em expansão. No Ceará, esse fator é de 2,56 e por meio dele foi projetada a data para o pico dos casos no Estado de 25 de abril.

Na Itália, por exemplo, onde a propagação do vírus desperta atenção global, a taxa R0 é de 3, como é destacado no relatório. Outros estados também estão no radar dos pesquisadores como Minas Gerais, Distrito Federal, Rio de Janeiro, São Paulo, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

O modelo usado pelos pesquisadores, Suscetíveis, Infectados e Recuperados (SIR), considera que os casos de cura da Covid-19 não podem ser infectados novamente. Ainda assim, os estudiosos indicam que há trabalhos sobre a possibilidade de o paciente adoecer uma segunda vez pelo vírus. Até à tarde de ontem, no Ceará, 824 pessoas foram identificadas com o vírus e o número de mortes subiu para 26, conforme atualização da plataforma IntegraSUS. Fortaleza mantém o maior número de infectados (744) e de óbitos (20). Dos 184 municípios cearenses, 23 já apresentam confirmações da Covid-19. O último a entrar na lista foi Pedra Branca, com um caso.

As estatísticas divulgadas pela Rede CoVida detalham o cenário da Bahia, Estado onde a pesquisa foi produzida, mas a pedido do Sistema Verdes Mares os cientistas devem estimar o número de infectados e o registro de óbitos no pico indicado no relatório. Também foi solicitada à Secretaria de Saúde do Ceará a estimativa com a qual o Governo baseia suas ações, mas a Pasta não enviou resposta à demanda.

Fase inicial
Medidas como distanciamento social e restrição da circulação de pessoas nas ruas ainda estão sendo analisadas pelos pesquisadores. Os resultados das ações de contingenciamento da doença, reforçadas pelo grupo, devem ser demonstrados nos próximos boletins que a Rede CoVida deve publicar semanalmente.

O governador Camilo Santana anunciou, no último sábado (4), a extensão do decreto que proíbe o funcionamento de estabelecimentos comerciais até o dia 20 de abril. As atividades estão paralisadas desde o dia 20 de março. Também foram suspensas as aulas presenciais em todas as modalidades de ensino até o início de maio pelo Governo do Estado. Tais medidas são baseadas em estudos científicos como forma de conter o avanço da doença no Ceará, como argumentou o governador.

Na análises dos pesquisadores da Bahia, no modelo SIR, os parâmetros e as comparações são feitas com experiências anteriores de propagação de doenças e avaliam os padrões observados nas populações. “No decorrer da epidemia e com os avanços dos conhecimentos sobre as suas características em nosso contexto, os parâmetros vão sendo melhor definidos e os modelos vão sendo qualificados, tornando-se mais robustos e incrementando a sua capacidade preditiva”, reforçam no artigo os especialistas.

As informações utilizadas para a projeção são colhidas nas secretarias estaduais da saúde devido às inconsistências observadas entre os dados divulgados por estes órgãos e pelo Ministério da Saúde. “Temos a convicção de que esforços estão sendo feitos para a correção destes problemas e que poderemos ter um sistema aperfeiçoado dos dados oficiais da epidemia”, pontuam.

Diário do Nordeste


Um paciente com suspeita de ter Covid-19 fugiu do Hospital Municipal Dr. João Elísio de Holanda, em Maracanaú. O homem de 40 anos recebia tratamento médico na unidade. O caso foi registrado na última sexta-feira (3), mas foi divulgado apenas nesta segunda-feira (6).

Uma equipe do hospital realizou uma denúncia informando o sumiço de um homem com sintomas da Covid-19. Segundo a polícia, o paciente foi localizado em uma residência no Bairro Residencial II, a cerca de 3km de distância do hospital, e retornou aos cuidados médicos.

Apesar da confirmação, por parte da Polícia Civil de que se tratava de um caso suspeito, a Prefeitura de Maracanaú informou que ele não apresentava sintomas da doença, mas teve “um surto e fugiu”.

Caso o paciente receba a confirmação de que está com o novo coronavírus, ele pode responder criminalmente por expor a vida ou a saúde de outros ao perigo direto e iminente. O crime é previsto no artigo 132 do Código Penal, com detenção de três meses a um ano.
QUASE 8 MIL OCORRÊNCIAS
Entre os dias 20 de março e 5 de abril, a Coordenadoria Integrada de Operações de Segurança (Ciops) registrou 7.836 ocorrências por descumprimento ao decreto estadual que prevê medidas de combate ao novo coronavírus.

Do total, 3.891 casos se referem a aglomerações de pessoas e 3.945, a denúncias de comércios abertos. Os dados abrangem os núcleos da Ciops em Fortaleza, Sobral e Juazeiro do Norte.

Diário do Nordeste

Um jovem foi morto, amarrado e colocado dentro de um saco plástico, em frente à sede da Perícia Forense do Ceará (Pefoce), no bairro Moura Brasil, em Fortaleza, nesta segunda-feira (6). O corpo de Alisson Lourenço Martins, de 23 anos, foi encontrado por volta de 11h.

De acordo com amigos da vítima, Alisson estava em um bar, no bairro Jereissati, em Pacatuba, Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), na noite do último domingo (5), quando foi raptado por criminosos.

Os homens teriam levado o jovem até a comunidade do Oitão Preto, que fica próxima à Pefoce. O corpo da vítima foi deixado no canteiro central da Avenida Leste-Oeste, na manhã desta segunda (6).
A Pefoce realizou os primeiros levantamentos sobre o crime. O caso será investigado pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), da Polícia Civil.

Diário do Nordeste


Seis internas do Instituto Penal Feminino (IPF) Auri Moura Costa irão confeccionar 11 mil máscaras de proteção para o sistema penitenciário cearense, no combate à propagação do novo coronavírus (Covid-19). A atividade se iniciou na última sexta-feira (3).

De acordo com a Secretaria da Administração Penitenciária (SAP), a matéria-prima (rolos de TNT, linha, clipe nasal e elástico) foi doada pela Federação das Indústrias do Ceará (FIEC), através do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai). As máscaras serão distribuídas para os 17 presídios e para as 13 cadeias públicas que existem no Ceará.

As detentas responsáveis pela confecção das máscaras passaram por treinamento específico, certificado pelo Senai, no ano passado. "Importante saber que nosso esforço ajudará a proteger pessoas. Nosso trabalho de confecções das máscaras pode salvar vidas", comentou a interna Alana Tamires, de 26 anos.

"As máscaras são equipamentos de proteção fundamentais nesse período. Já adotamos no sistema penitenciário e vamos produzir milhares de exemplares com a nossa mão de obra qualificada dentro do próprio sistema. Importante destacar mais essa parceria com a FIEC e Senai. Um ganho social e um esforço coletivo na luta contra o coronavírus", ressaltou o secretário da Administração Penitenciária, Mauro Albuquerque.

O sistema penitenciário cearense contava com 24.017 presos, de acordo com o último boletim da SAP, de dezembro de 2019. Os números de 2020 ainda não foram divulgados pela Pasta.

Diário do Nordeste


A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) informou hoje (6) que a produção nacional de automóveis em março teve queda de 21,1%, em relação a março de 2019. Já o nível de licenciamentos caiu 21,8% no período. De acordo com a entidade, os resultados foram consequência da pandemia da covid-19, que provocou a queda de quase 90% das atividades do segmento.

Ao todo, foram fabricadas 189.958 unidades, ante 240.763 de março de 2019. A diferença de fevereiro para março foi de 7%, enquanto a variação no acumulado de janeiro a março foi de 16%. Como a produção, o volume de unidades exportadas também foi reduzido, em 21,1%, na comparação com março de 2019, passando de 39.018 unidades para 30.772.

Segundo o presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes, "pode-se identificar com clareza a influência da pandemia nos índices, já que se registrava um aumento de 9% nas vendas até o começo da segunda quinzena, no acumulado do ano". Para Moares, as circunstâncias levam a acreditar que o cenário para abril será preocupante.

"Tivemos dois momentos no mês de março. A primeira quinzena rodando normal, dentro do que a gente imaginava que seria possível vender e emplacar, e uma segunda quinzena, muito impactada pelo efeito da crise", disse.

Moraes ressaltou que houve uma redução de 86,5% na média diária de licenciamentos, da primeira semana de março para a última. "Isso confirma a preocupação em relação ao atual momento que nós estamos passando".

Caminhões
Moraes destacou ainda que, ao contrário dos automóveis, as vendas de caminhões apresentaram pouca oscilação quanto a fevereiro deste ano. Em março, manteve-se o mesmo desempenho, de cerca de 6,4 mil unidades emplacadas. Uma das saídas para esse tipo de negociação, explicou o presidente da associação, tem sido o contato direto entre montadoras e clientes.

Quanto às máquinas agrícolas e rodoviárias, observa-se um aumento de 46% na comercialização ante fevereiro, e de 10,3% em relação aos números de março de 2019. No total, foram vendidas 4.140 unidades.

Apesar da apreensão manifestada, o presidente da Anfavea salientou que a perspectiva para o segmento deverá repetir um padrão já vivenciado por países em que a pandemia chegou antes, como China, Itália, França e Espanha. Para fundamentar o argumento, utilizou como referência a variação nos licenciamentos de automóveis nesse locais, que foi, respectivamente, de menos 80%, 85%, 72% e 69%, respectivamente.

De forma geral, disse Moraes, a decisão da entidade é de aguardar a avaliação de especialistas sobre o Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos no país) para poder consolidar a projeção para a indústria automobilística brasileira.

Ainda de acordo com o relatório da Anfavea, com as medidas de distanciamento social, 63 fábricas do setor interromperam as atividades ao longo das últimas duas semanas, afetando 123 mil funcionários. A paralisação abrange 10 estados e 40 municípios.

Agência Brasil


Os cinco maiores bancos do país – Banco do Brasil, Bradesco, Caixa, Itaú e Santander – processaram mais de 2 milhões de pedidos de renegociação de dívidas. O valor das negociações chega a R$ 200 bilhões, conforme levantamento parcial divulgado pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban).

Nas operações, as instituições deram carência de dois a três meses no vencimento de parcelas em várias linhas, como crédito pessoal, crédito imobiliário, crédito com garantia de imóveis, crédito para aquisição de veículos e capital de giro.

Empresas e pessoas físicas têm reclamado da falta de acesso a essa medida de pausa nos contratos, cobrança de juros referente ao período de prorrogação e dificuldades de contato com os bancos.

Em nota, a Febraban diz que “os bancos estão totalmente sensibilizados com a necessidade de os recursos chegarem rapidamente na ponta e continuarão agindo com foco para que o crédito seja dado nas mãos das pessoas físicas e das empresas”.

“Entendemos a ansiedade de diversos setores, mas é preciso compreender que esse é um processo gradual e complexo, que demanda diversas providências e, em muitos casos, envolvem mudanças regulatórias, a exemplo da linha de liquidez do Banco Central para a compra de Letra Financeira Garantida e a liberação de compulsórios [depósitos que os bancos são obrigados a deixar no Banco Central]”, acrescenta.

Segundo a Febraban, ao contrário do que aconteceu na crise de 2008, desta vez, não há “empoçamento de liquidez” (falta de dinheiro em circulação), “mas sim um aumento substancial nas necessidades por recursos líquidos, o que torna esta crise bem diferente da anterior”. “Além disso, os bancos internacionais cortaram as linhas que dispúnhamos, o que estreitou mais ainda a liquidez do sistema. Mas seguiremos trabalhando, com o Banco Central e governo, para prover liquidez e crédito para quem precisa”, diz a federação.

A Febraban informa que já repactuou “diversas operações com grandes empresas, que demandaram volumes expressivos de recursos, com impactos relevantes sobre a liquidez do setor bancário”.
Pedidos

Caixa: 1 milhão de pedidos em contratos habitacionais, com oferta de R$ 111 bilhões em créditos e carências de até 90 dias.

Bradesco: 635 mil pedidos, que representam 1,036 milhão de contratos.
BB: 200 mil pedidos, em valor equivalente a R$ 60 bilhões.
Santander: 80,9 mil pedidos, em valor equivalente a R$ 11 bilhões.
Itaú: 302,3 mil pedidos, com saldo de R$ 12,1 bilhões e parcelas já prorrogadas em valor financeiro de R$ 679 milhões.
Na linha Caixa Hospitais, foram disponibilizados recursos da ordem de R$ 5 bilhões para 2020.
Folha de pagamento
A Febraban lembrou que os bancos iniciaram hoje a liberação do crédito para financiar a folha de pagamentos de pequenas e médias empresas com faturamento entre R$ 360 mil e R$ 10 milhões. A linha de crédito foi criada por meio de linha provisória, com liberação de R$ 40 bilhões.

Agência Brasil

Governo deve detalhar como o auxílio emergencial chegará aos trabalhadores informais. A previsão é de que o dinheiro comece a ser liberado nesta semana. Amanhã, será lançado aplicativo para cadastrar quem não tem registro
(foto: Rodrigo Nunes/Esp. CB/D.A Press )
O governo federal deve começar a pagar nesta semana o benefício emergencial de R$ 600 que vai ajudar os trabalhadores informais a se sustentarem nesse período de pandemia. Por isso, vai divulgar, hoje, o calendário de pagamento e o endereço do aplicativo que vai cadastrar os trabalhadores informais que têm direito ao auxílio. O valor total por família será de R$ 1,2 mil.

Têm direito ao auxílio, além dos informais, os microempreendedores individuais, os beneficiários do Bolsa Família e as mulheres que cuidam sozinhas da família. Essas, por sinal, podem receber o valor em dobro, ou seja, R$ 1,2 mil.

Os últimos detalhes do chamado “coronavoucher”, que promete liberar R$ 98 bilhões para 54 milhões de brasileiros nos próximos três meses, serão divulgados pelo Ministério da Cidadania e pela Caixa Econômica Federal em uma coletiva de imprensa prevista para acontecer nesta tarde no Palácio do Planalto. Mas o cadastramento dos cerca de 20 milhões de trabalhadores informais que hoje não estão registrados em nenhum programa do governo federal só começa amanhã. Por isso, os governantes pedem que os brasileiros aguardem as orientações oficiais em casa e ressaltam que a ideia é fazer tudo de forma on-line, para evitar aglomerações nas agências bancárias e, assim, assegurar o sustento e também a saúde desses trabalhadores.

De acordo com o Ministério da Cidadania, os beneficiários do Bolsa Família que normalmente ganham menos que R$ 600 já vão receber esse benefício automaticamente, no mesmo dia em que receberiam o depósito do Bolsa Família. Os microempreendedores individuais (MEIs) e os contribuintes individuais ou facultativos do INSS que têm direito ao auxílio (ver as condições ao lado) também devem receber os R$ 600 de forma automática nas suas contas bancárias, de acordo com o calendário de pagamento que será divulgado hoje pela Caixa.

Os informais que estão registrados no Cadastro Único do governo federal também terão o benefício garantido por esse calendário de pagamento. Já os trabalhadores informais que não têm cadastro em nenhum programa do governo federal devem solicitar o benefício a partir de amanhã, por meio de um aplicativo que também terá o endereço revelado na entrevista de hoje.

Segundo a Caixa Econômica Federal, que vai operacionalizar o app, o aplicativo será gratuito e simplificado como o do saque imediado do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). E, como deve ser baixado por milhões de trabalhadores assim que for ao ar, também contará com o suporte de uma central telefônica e um site.

A ideia do governo é receber todas as informações dos trabalhadores informais exclusivamente por esses canais virtuais. E, depois disso, conferir esses dados para poder liberar o pagamento. A expectativa do ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, é que esse processo de checagem e depósito dure apenas 48 horas. Isso significa que, se tudo der certo, os trabalhadores informais vão receber os R$ 600 apenas dois dias depois de se cadastrarem no aplicativo. Quem se cadastrar amanhã pode, portanto, receber o auxílio já na quinta-feira, antes do feriado da Semana Santa.

Segundo a Caixa Econômica Federal, que vai ficar à frente do pagamento, será possível liberar o recurso nesse prazo porque o pagamento também será virtual. A ideia é fazer um depósito na conta do trabalhador ou criar contas de poupança digitais gratuitas para quem ainda não tem conta no banco. Também está em estudo, porém, liberar saques físicos nas lotéricas e nos terminais de autoatendimento bancário.

Impacto fiscal
Segundo o Ministério da Economia, o orçamento de R$ 98 bilhões representa 1,3% do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil e é maior do que tudo que estava disponível no Orçamento deste ano para as despesas discricionárias do governo antes da crise da Covid-19 (R$ 95 bilhões). É, portanto, a medida do pacote de enfrentamento ao coronavírus de maior impacto fiscal já anunciada pelo governo. E esse orçamento ainda pode ter que crescer, caso a pandemia do novo coronavírus dure mais que o esperado no Brasil. Afinal, os R$ 98 bilhões consideram o pagamento do coronavoucher por um período de três meses.

Esta não seria a primeira ampliação do programa. Inicialmente, o governo havia anunciado apenas um auxílio de R$ 200 para os informais. A ampliação do valor e do público do benefício foi negociada pelo Congresso. Por isso, o presidente Jair Bolsonaro já admitiu que, se for preciso, o prazo de pagamento dos R$ 600 pode ser estendido para mais de três meses.

Correio Braziliense


O Ministério da Saúde mapeou ao menos 486 mortes pela Covid-19 no país, sendo que 54 novos óbitos foram registrados pela pasta ontem. Apesar do avanço de casos fatais, esse foi o menor crescimento para um período de 24 horas nos últimos quatro dias. Na comparação com sábado, quando 73 óbitos haviam sido contabilizados pelo ministério, a redução foi de 26%.

Além disso, o último levantamento divulgado pela Saúde constatou redução na quantidade de casos confirmados. Ontem, 852 ocorrências entraram na conta da pasta — o crescimento diário mais baixo desde quinta-feira da semana passada —, elevando o total para 11.130. No sábado, dia em que houve recorde de novos casos até o momento, o ministério havia registrado 1.222 pessoas infectadas pelo novo coronavírus (30% a mais).

São Paulo continua sendo o estado que mais preocupa. A cada cinco novas pessoas diagnosticadas com o novo coronavírus no país, duas são do estado. Sozinho, concentra 41% dos casos confirmados de Covid-19 (4.620), além de acumular 56,6% dos óbitos (275).

Diante da realidade, é possível que, hoje, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), estenda o período de quarentena por mais 15 dias. A previsão do governo paulista é de que 220 mil casos sejam registrados. Como forma de aumentar os recursos para enfrentar a enfermidade, Doria estuda um pedido de empréstimo de US$ 100 milhões (mais de R$ 500 milhões) ao Banco Mundial.

De acordo com o Ministério da Saúde, São Paulo está ao lado de Distrito Federal, Ceará, Amazonas e Rio de Janeiro como as unidades da Federação em que a transmissão do vírus pode entrar na fase mais crítica nos próximos dias: a de aceleração descontrolada. A advertência da pasta leva em conta a proporção de infectados em relação à população. No DF, por exemplo, a incidência é de 15,3 casos a cada 100 mil habitantes.

De acordo com o secretário executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo dos Reis, essas cinco localidades serão as primeiras a receber o reforço da pasta, tanto com profissionais de saúde quanto com equipamentos. No fim de semana, ele anunciou que a pasta adquiriu 15 mil respiradores mecânicos, que ajudam pacientes que não conseguem respirar sozinhos e têm o uso indicado para os casos graves de Covid-19.

Segundo ele, foi investido R$ 1 bilhão para a importação dos respiradores, que devem chegar ao país até o fim de abril. Gabbardo ainda garantiu que o ministério tem mantido diálogo permanente com produtores brasileiros de respiradores para garantir a oferta nacional.

“Também temos produção nacional. Contratamos respiradores que vão ser produzidos no Brasil. Essas empresas vão começar a fazer entregas semanais. Vamos ficar com esses respiradores no nosso centro de distribuição e o alocaremos rapidamente nos locais que tiverem necessidade porque a capacidade instalada chegou perto do seu limite. Se houver diminuição de pacientes nestes locais, poderemos transferir os equipamentos de um local para o outro, na medida em que for necessário”, frisou Gabbardo.

De acordo com o inistério, atualmente o Brasil possui cerca de 65 mil respiradores, sendo que pouco mais de 46 mil estão disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS). Ainda segundo a pasta, estão sendo adquiridos leitos de UTI volantes, que podem ser instalados rapidamente na rede pública de saúde para enfrentamento da emergência do coronavírus sempre que houver necessidade. Nesses leitos, informou o ministério, estão incluídos mais respiradores para ajudar na recuperação de pacientes.

Apoio ao isolamento
Apesar das constantes declarações do presidente Jair Bolsonaro de que o isolamento social é um risco para a economia do país e que as medidas de distanciamento adotadas por alguns estados deveriam ser ajustadas, a Advocacia-Geral da União (AGU) apresentou um documento ao Supremo Tribunal Federal (STF) no qual afirma que o governo federal é a favor do confinamento como forma de se barrar a proliferação do novo coronavírus. No texto, a AGU garante que o Executivo federal segue as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Na semana passada, o ministro do STF Alexandre de Moraes havia determinado que o Palácio do Planalto apresentasse à Corte as medidas que está adotando para enfrentar a pandemia, a pedido da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). O documento da AGU entregue ao Supremo, assinado por Bolsonaro e pelo advogado-geral da União, André Luiz Mendonça, frisa que “ao contrário do que alega o autor (OAB), todas as medidas adotadas visam garantir as orientações não só do Ministério da Saúde, mas também da Organização Mundial da Saúde”.

“Tais medidas também visam garantir o isolamento social necessário para evitar a rápida disseminação do novo coronavírus. Vale lembrar que o Poder Executivo é exercido pelo Presidente da República, auxiliado pelos ministros de Estado; assim, todas as orientações do Ministério da Saúde advêm, e por isso encontram a chancela, do próprio governo federal”, informa o texto.

Ainda segundo a AGU, “o governo federal vem adotando todas as providências possíveis para o combate ao novo coronavírus, implementando medidas que buscam garantir o isolamento social da população para evitar a rápida disseminação do coronavírus (Covid-19) e assegurar o emprego e a renda da população”.

Correio Braziliense

Uma imagem resumiu no domingo (5/4) a calamidade que assola o mundo: o papa Francisco, sozinho, dando início à Semana Santa, normalmente sinônimo de igrejas lotadas e procissões

Papa Francisco rezando durante a missa do Domingo de Ramos a portas fechadas na Basílica de São Pedro no Vaticano, durante o bloqueio destinado a conter a propagação da infecção pelo Covid-19. (foto: Handout / VATICAN MEDIA / AFP)
Espanha, Itália e França registraram uma esperançosa redução do número de mortos por coronavírus nas últimas horas, mas a pandemia, que já matou mais de 68 mil pessoas em todo o mundo, ameaça os Estados Unidos, onde os cidadãos se preparam para sua "semana más dura".

Com boa parte do planeta confinado, o aumento da violência de gênero levou a ONU a fazer um apelo "à paz nos lares de todo o mundo".

"A violência não se limita ao campo de batalha. Para muitas mulheres e meninas, a ameaça é maior justamente onde deveria estar mais seguras", disse o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres.

Uma imagem resumiu no domingo (5/4) a calamidade que assola o mundo: o papa Francisco, sozinho, dando início à Semana Santa, normalmente sinônimo de igrejas lotadas e procissões, mas que este ano chega com metade da população mundial confinada.

"Olhem para os verdadeiros heróis que vêm à tona nestes dias. Não são os que têm fama, dinheiro e sucesso, e sim os que se entregam para servir aos demais. Sintam-se chamados a arriscar a vida. Não tenham medo de gastá-la por Deus e pelos demais: vão ganhá-la!", disse o papa em uma basílica vazia.

Os balanços de mortos e infectados continuam aumentando e até este domingo havia mais de 1,2 milhão de casos de contágio em 190 países, segundo contagem da AFP.

Do total de mortos, 49 mil estão na Europa, principalmente na Itália e na Espanha, onde os habitantes começam a recuperar a esperança.

Na América Latina, o Brasil tem um terço dos casos da região, com 11.130 contagiados, e o maior número de mortos: 486.

Esperança e prudência
Na Espanha, pelo terceiro dia consecutivo, registrou-se uma redução no número de falecidos pelo novo coronavírus. Nas últimas 24 horas morreram 674 pessoas, o que situa o balanço total de mortos por coronavírus no país em 12.418.

Após uma semana trágica, na qual em 2 de abril foi alcançada a cifra de 950 mortes por dia, as estritas medidas de confinamento, que se estenderão até 25 de abril, parecem começar a dar frutos e as autoridades estudam uma flexibilização progressiva das restrições.

Além disso, o país observa uma redução no número de internações e de pacientes em unidades de cuidados intensivos.

A Espanha é o segundo país do mundo mais castigado pela pandemia, depois da Itália, onde as cifras deste domingo também eram animadoras.

O número de mortos diários por coronavírus foi de 525, a cifra mais baixa desde 19 de março, anunciaram neste domingo os serviços de Proteção Civil desde país que soma 15.887 mortos.

E na França, o balanço do domingo foi de 357 mortes, a menor cifra em uma semana em um país que já superou os 8 mil mortos por coronavírus e onde a maioria dos hospitais também está superlotada.
"Haverá muitos mortos"

Nos Estados Unidos, ao contrário, os óbitos vão continuar aumentando nos próximos dias, advertiu o presidente Donald Trump.

No país já há mais de 330 mil contágios e 9.600 mortos (1.200 nas últimas 24 horas). "Esta, provavelmente, será a semana mais difícil (..) Haverá muitos mortos", advertiu Trump, prevendo a entrada do país em um "período que será horroroso".

O administrador federal dos serviços de saúde pública, Jerome Adams, preparou a opinião pública para o pior. 

"A próxima semana será um momento como Pearl Harbor, como o 11 de setembro, só que não será localizado, será em todo o país".

O estado de Nova York, epicentro da crise nos Estados Unidos, registrou 594 falecidos nas últimas 24 horas. O total de mortes no estado superou os 4.150.

"Estamos muito perto do pico" de contágios ou pode ser que "esse pico seja uma colina e estejamos nela", disse o governador, Andrew Cuomo.

No Reino Unido, que já supera os 4.900 mortos, o primeiro-ministro, Boris Johnson, que testou positivo para a COVID-19 há mais de uma semana e ainda está febril, foi hospitalizado para se submeter a vários exames.

Em mensagem inédita transmitida pela televisão, a rainha Elizabeth II pediu aos britânicos "determinação" e esforço coletivo para frear a epidemia.

"Encontremos consolo no fato de que virão dias melhores: vamos nos reencontrar com nossos amigos, com nossas famílias. Vamos nos reencontrar novamente", afirmou a monarca, de 93 anos, garantindo que a Grã-Bretanha vencerá o coronavírus.

América Latina supera os 30 mil casos
A pandemia também avança na América Latina, que registra quase 30.400 casos confirmados e 1.053 mortes.

O Brasil tem um terço dos casos, com 11.130 contagiados, e o maior número de mortos: 486.

Avizinha-se a "fase mais aguda" da pandemia, admite em um relatório o Ministério da Saúde do Brasil, onde o presidente Jair Bolsonaro tem minimizado a gravidade da doença e rejeitado medidas de confinamento e distanciamento social.

No domingo, autoridades costa-riquenhas informaram que estudam ações internacionais ante a inação da Nicarágua frente à pandemia. O Executivo é o único da América Central que não ordenou medidas de isolamento social.

Em Guayaquil, no Equador, onde dezenas de corpos jaziam durante horas em residências e nas ruas devido ao colapso dos serviços funerários, mil caixões de papelão foram enviados para enterrar os mortos, já que na região não há suficientes e os disponíveis são caros demais para muitas famílias.

A Guatemala pediu aos Estados Unidos mais controles e uma redução na quantidade de pessoas nos voos deportados, após a recente detecção de dois casos entre migrantes expulsos.

A emergência sanitária e econômica pela pandemia também está provocando o retorno à Venezuela de centenas de pessoas que migraram para a Colômbia. 

No domingo, autoridades chinesas, onde a epidemia surgiu em dezembro, disseram ter exportado equipamentos médicos no valor de mais de 1,3 bilhão de euros, entre os quais, 4 bilhões de máscaras.

No entanto, alguns países, como Holanda e Espanha, se queixaram da qualidade dos insumos chineses.

A Espanha também devolveu no fim de março milhares de testes de diagnósticos defeituosos.

Os Estados Unidos, apesar das críticas feitas à China por sua gestão da epidemia, também se veem obrigados a recorrer a Pequim para conseguir máscaras e outros insumos médicos.

Países como Alemanha, França, Estados Unidos e outros países recomendaram recentemente o uso de máscaras para evitar o contágio. Existe a possibilidade também de que a suspensão progressiva do confinamento ocorra juntamente com o uso obrigatório de máscaras em alguns países.

- Melhor do que morrer de fome -
À medida que a epidemia avança, fica mais evidente que o confinamento, o distanciamento e a higiene das mãos são privilégios de uma parte do mundo.

Na África, nos campos de refugiados da Grécia e da Jordânia ou nas superpovoadas favelas da América Latina, a quarentena é materialmente impossível.

"É melhor morrer desta doença ou com um tiro do que de fome", diz Garcia Landu, mototaxista de Angola, enquanto sai para procurar trabalho, contrariando as recomendações de confinamento.

O impacto socioeconômico da pandemia começa a ser sentido, mas ainda é impossível de calcular. As cifras recorde de desemprego, empresas em falência e mercados paralisados já são o dia a dia em muitos países, apesar das injeções de recursos e das ajudas financeiras anunciadas por países e organismos multilaterais.

Agência France-Presse

De sexta-feira (3/4) para este sábado (4/4), Ministério contabilizou mais 1.222 pessoas diagnosticadas com Covid-19 pelo país. Segundo a pasta, foram 72 novas mortes nas últimas 24 horas

(foto: BERTRAND GUAY/AFP)
O balanço deste sábado (4/4) do Ministério da Saúde sobre a situação do novo coronavírus no país revelou que 1.222 pessoas foram diagnosticadas com Covid-19 nas últimas 24 horas. Com isso, já são 10.278 casos confirmados no Brasil. Quanto ao número de óbitos, a pasta registrou 73 novas mortes, que fizeram o país chegar a um total de 432.

Seguindo uma tendência dos últimos boletins epidemiológicos divulgados pelo Ministério, as novas ocorrências tanto de casos confirmados quanto de mortes voltaram a bater recorde de crescimento diário. O incremento de pessoas infectadas foi de cerca de 13,5%, enquanto o de óbitos foi de 20,3%.

Como consequência, também cresceu a taxa de letalidade da Covid-19 em território nacional. A estatística, que era de 4% na sexta-feira, subiu para 4,2%.

Segundo os números da Saúde, 61,2% dos casos estão concentrados na região Sudeste: 153 no Espírito Santo, 430 em Minas Gerais, 1.246 no Rio de Janeiro e 4.466 em São Paulo. A região também é a que mais registrou mortes até o momento: 329. Dessas, 260 foram em São Paulo, estado com a maior quantidade de óbitos no país.

A região Nordeste já contabiliza ao menos 1.642 casos confirmados e 59 mortes. Na região Sul, 1.139 pessoas foram diagnosticadas com Covid-19 e 17 morreram após serem infectadas pelo novo coronavírus.

Já na região Centro-Oeste, a estatística de casos confirmados chegou a 675, e a Saúde já registrou 11 mortes. Sete delas aconteceram apenas no Distrito Federal, que ainda conta com 454 contaminados, segundo a pasta. Por fim, a região Norte tem 527 infectados e 16 mortos por Covid-19.

Correio Braziliense



O governador do Ceará, Camilo Santana prorrogou, neste sábado (4), o decreto de isolamento social em todo o Estado. Com a medida, anunciada pela conta oficial do governador no Twitter, o comércio e outros serviços não essenciais deverão permanecer fechados até o dia 20 de abril, assim como a população segue em regime de isolamento social.

De acordo com o governador, a ampliação do prazo do decreto foi tomada para garantir a segurança da população cearense e impedir o avanço da propagação da doença causada pelo novo coronavírus no Estado.

"Anuncio a prorrogação do Decreto Estadual relativo às ações de enfrentamento ao coronavírus no Ceará por mais 15 dias. A medida, que visa o maior isolamento social, vai até 20 de abril. Decisão tomada com base em estudos científicos com o objetivo de proteger a vida dos cearenses", disse Camilo.

Neste sábado, o Ceará registrou o número de 745 casos confirmados de Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. Ao todo, a Secretaria de Saúde de Estado (Sesa) anunciou 23 mortes registradas.

Durante uma transmissão ao vivo pelo Facebook, o governador Camilo Santana destacou que as medidas de isolamento social é o que tem permitido ao Estado expandir as redes hospitalares sem ter uma pressão por atendimentos. Em todo o mundo, sistemas de saúde tem colapsado pelo alto número de pessoas afetadas pelo novo coronavírus.

"Esse isolamento é o que tem nos permitido ampliar a rede hospitalar do Estado, que é importante para dar atendimento à população no Ceará. Todos os hospitais regionais estão recebendo leitos de UTI", disse.

Casos no Brasil
O Brasil já registra ao menos 431 mortes pelo novo coronavírus, de acordo com dados do Ministério da Saúde divulgados neste sábado (4). Foram contabilizadas 72 novas mortes confirmadas nas últimas 24 horas. O país já soma 10.278 casos confirmados da doença.

Diário do Nordeste


Internautas relatarem ter escutado um estranho barulho no céu na sexta-feira (03/03) e deixaram redes sociais movimentas sobre o assunto. Muitos afirmaram que o som lembrava uma turbina de avião. As informações são do O Tempo.

“Às 14h15, escutei um estrondo semelhante ao de um jato cruzando o céu ou ao de uma turbina de avião. Escutei duas vezes, e não tinha nada no céu, não vi nenhum avião, apesar de estar nublado. “Comentei com um amigo que mora em outro local, e ele disse ter ouvido também”, declarou o empresário Paulo Bressane, de Minas Gerais.

O assunto foi bastante comentados no Instagram.

“Gente, eu tô escutando esse barulho no céu toda hora, e não para, eu juro. Na hora que minha amiga me mandou a mensagem, eu não acreditei. Quando fui para a janela, escutei e fiquei toda arrepiada”, afirmou uma seguidora.

A hashtag "Barulho no Céu" ficou entre os assuntos mais comentados no Twitter. Apesar dos relatos, as autoridades informaram que não houve confirmação de nenhum evento raro nos últimos dias.

Segundo o astrônomo e professor aposentado da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Bernardo Riedel, os chamados "aerolitos", que são pequenos asteroides que caem constantemente na Terra. O especialista explica que, ao penetrar na atmosfera e deslocar-se no ar, eles podem causar ruídos, mas seria possível de ser ouvido. “E, se fosse um asteroide, você até poderia escutar o barulho, mas ele não ficaria se repetindo”, afirma.

“Digo que as pessoas podem ficar tranquilas. Não temos conhecimento de nenhum evento nem da possível ocorrência de nenhum fenômeno astronômico ou meteorológico que possa vir a acontecer. Isso não é nada perigoso ou preocupante”, conclui o especialista.