O desconforto da secura vaginal afeta cerca de 20% das brasileiras em idades variadas, porém é predominante no período da menopausa. De acordo com a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (febrasgo) as vulvovaginites - infecções genitais - são frequentes em diagnósticos clínicos podendo ser ocasionadas por fungo.

No verão as mulheres estão mais suscetíveis a essas infecções, pois a umidade na região íntima provocada pela alta temperatura torna o local propício para a sobrevivência e disseminação de bactérias prejudiciais como a cândida, ou candidíase.

Evite usar roupas muito apertadas na região íntima, como jeans e opte por saias que contribuem para maior oxigenação do ambiente. Outra dica apontada por especialistas é evitar permanecer com os trajes da academia após o exercício.

A umidade da roupa íntima torna o ambiente perfeito para ação dos fungos e contágio. O ideal é tomar banho após o exercício prioritariamente e não deixar para depois.

Confira a seguir o que pode gerar secura vaginal e desconfortos na região íntima no verão.

Candidíase
Praticamente toda mulher já passou pelo desconforto de infecções íntimas, seja provocado por fungos, mudanças hormonais, medicamentos ou aspectos emocionais. Um alerta para o ressecamento da região íntima é a presença de infecções que alteram diretamente a flora vaginal e podem modificar a consistência e produção do muco.

Esse incômodo é facilmente resolvido com o auxílio do médico ginecologista e a indicação de pomadas antifúngicas, se necessário, a ingestão oral e dose única da substância Fluconazol.

Pílula Anticoncepcional

É muito comum após o consumo de anticoncepcionais por tempo prolongado algumas mulheres apresentarem queixas de secura vaginal. Segundo a febrasgo estudos apontam o maior risco de contaminações por vulvovaginites em pacientes que fazem o uso de contraceptivos orais.

As substâncias contraceptivas possuem progestagênio, hormônio que bloqueia o receptor do estrogênio, responsável pela produção do muco e maior lubrificação vaginal.

Menopausa

Nesse período não só o estrogênio, mas uma série de hormônios femininos entram em declínio e sinalizam o fim do período reprodutivo. A queda acentuada do estrogênio durante a menopausa gera alguns incômodos: a maior secura vaginal durante as relações, coceira e até mesmo falta de libido provocada por outros hormônios presentes no corpo da mulher, como a testosterona.

A forma mais eficiente de tratar o desconforto durante esse período é realizar o acompanhamento ginecológico e se necessário, a reposição hormonal.

Falta de lubrificação pode prejudicar mulheres que tentam a gravidez?

A lubrificação tem um papel muito importante não só no ato sexual, mas na fecundação saudável do óvulo e pode ser uma barreira entre os casais que tentam engravidar.

A umidificação que ocorre durante a excitação e no período do ato sexual ajuda a direcionar os espermatozoides até o óvulo. A flora saudável possui o pH adequado para receber os espermatozoides e preservar sua sobrevivência.

Geralmente em casos de secura vaginal o ambiente torna-se ácido e inóspito para os espermatozoides que possuem tempo de vida curto.

Sintomas que provocam o ressecamento

Coceira: um dos sintomas mais frequentes da secura vaginal é a coceira constante. Este é também um alerta para candidíase e um dos sinais quando a mulher é acometida pelo problema.

Ardor vaginal: por conta do ressecamento e sensibilidade da região algumas mulheres apontam queixas de ardor ao urinar ou queimação.

Dor ao urinar: embora a uretra e a vagina possuam funções diferentes são influenciadas por integrarem a mesma origem embrionária. Segundo especialistas o seio urogenital forma a uretra e a vagina, logo são moldadas pelo mesmo tecido e podem sofrer consequências em casos de infecções e secura na região íntima.

Como tratar o ressecamento vaginal?

Após o diagnóstico realizado pelo ginecologista alguns tratamentos podem ser indicados de acordo com o apontamento clínico, como:

Candidíase e vulvovaginites

Após a avaliação da região íntima durante exames de rotina o ginecologista irá detectar a presença de alterações na flora vaginal e possíveis interferências fúngicas, como ocorre em casos de candidíase.

O tratamento é bastante simples com a indicação de pomadas intravaginais e se necessário, ingestão oral do comprimido com dose única.

Lubrificantes

Os lubrificantes são indicados quando a mulher não apresenta nenhum problema, mas por ordem fisiológica acaba produzindo menor quantidade de muco.

Para as mulheres que desejam engravidar o portal especialista em maternidade, Trocando Fraldas, recomenda que os lubrificantes possuam pH neutro e a presença de minerais que contribuem para a sobrevida dos espermatozoides na região íntima.

Hoje já podemos contar com diversas opções de lubrificantes no mercado. Os solúveis a água e hipoalérgicos são ideais para proporcionar maior conforto preservando a sensibilidade e hidratação íntima.

Notícias ao Minuto


Mergulhadores encontraram uma estranha criatura ao realizar um mergulho próximo da White Island – um vulcão ainda ativo no meio do oceano na Nova Zelândia.

Steve Hathaway, de 56 anos, e Andrew Buttle, de 48, encontraram o que os especialistas chamam de salpa – um tipo de vida marinha que possui forma muito semelhante à de uma biruta, aquele famoso instrumento meteorológico para medir a direção dos ventos.

Uma salpa, na verdade, é formada por centenas ou até milhares de indivíduos que se juntam em um “único corpo gelatinoso”, movendo-se de forma a bombear água através de seus corpos, filtrando a água ao mesmo tempo para reter plânctons, sendo este o único alimento utilizado para sobrevivência.

As salpas podem ser encontradas agrupadas formando um “imenso corpo único” ou isoladas. Quando isoladas, geralmente estão mais próximas da superfície e, quando agrupadas, em regiões profundas. A reprodução é assexuada.


Nas imagens, podemos ver uma salsa de 8 metros de comprimento, em uma profundidade de 10 metros.

Em entrevista ao britânico The Sun, Andrew falou sobre sua experiência: “Nunca tinha visto uma pessoalmente. Eu fiquei bem incrédulo que tal criatura existisse mesmo. Foi fantástico ficar tão perto e passar tanto tempo ao lado dela”, concluiu.


Veja abaixo o vídeo registrado pela dupla de mergulhadores:


Jornal Ciência


Segundo pesquisas realizadas por cientistas norte-americanos, e publicadas no livro “The Drinking Water Book”, o tradicional filtro de barro dos brasileiros, é, provavelmente, o melhor sistema de purificação de água do mundo.

 Através de sua câmara de filtragem, feita de velas de cerâmica, ele é capaz de remover impurezas com eficiência, além de conter a presença de cloro, pesticidas, ferro, alumínio, chumbo e até mesmo um parasita causador da criptosporidiose.


Essa eficiência é resultante do processo de filtragem por gravidade, em que a água passa pelas velas e goteja lentamente para o reservatório inferior. Exatamente o que não acontece nos fluxos de torneiras ou em tubulação, já que a pressão é quem impulsiona o fluxo da água. Por isso, microrganismos e sedimentos acabam passando pelo sistema e se depositando nos copos. Além disso, as pesquisas também mostraram que os sistemas mais modernos de filtragem não são capazes de impedir a presença de elementos perigosos como o flúor e arsênico, por exemplo.

Contudo, há de se lembrar que a qualidade da água depende da manutenção do filtro, que precisa ser limpo e ter suas velas trocadas regularmente. E é essencial que produtos químicos ou de limpeza não sejam utilizados nesse processo. Além disso, é preciso tomar cuidado com os encanamentos, torneiras e caixas d’água da casa, a fim de garantir que a água colocada ali seja própria para consumo.

 Diário de Biologia 



A vida verdadeira, segundo muitos, começa depois dos 40 anos, porque nessa idade nos sentimos mais conscientes, menos estressados. Mais felizes.

Os 40 anos são um momento de renovação da vida. Não temos vinte anos, mas ainda somos jovens e temos tudo o que precisamos para viver a melhor fase da nossa vida: experiência, maturidade, consciência e muitas vezes um desejo de renovação.

Para as mulheres, comparadas aos homens, essa nova fase pode ser ainda mais intensa, porque são mais seguras do que elas mesmas e o que elas querem para suas vidas, nos relacionamentos amorosos, nas amizades, na vida profissional.

Mulheres com 40 anos dão prioridade a si mesmas, vivem de acordo com sua vontade, não precisam mais provar nada a ninguém, nem tentar ser aceitas.
Abaixo, queremos propor um belo texto de Fabrício Carpinejar sobre como a vida das mulheres se transforma após 40 anos.

São palavras muito verdadeiras e você certamente se identificará. Divirta-se!

Depois dos 40 anos, o pensamento feminino muda, desembaraça. O sexo não é mais performance, exaustão, é fazer o que se gosta e do jeito que gosta. É aproveitar dez minutos com a intensidade de uma noite inteira, é reconhecer o rosto do próprio desejo no primeiro suspiro, é optar pela submissão por puro prazer, sem entrar na neurose da disputa ou do controle.

A mulher de 40 não diminui o ritmo da intimidade. Pode ler um livro com a intensidade de uma transa. Pode assistir um filme com a intensidade de uma transa. Pode conversar com a intensidade de uma transa. Ela não tem um momento para a sensualidade, a sensualidade é todo momento.

Tomar o café da manhã não é apenas um desjejum, tem a sua identidade, o seu ritual, um refinamento da história de seus sabores. Tomar o café da manhã com uma mulher de 40 anos é participar de sua memória, de suas escolhas.

Ela não precisa mais provar nada. Já sofreu separações, e tem consciência de que suporta o sofrimento. Já superou dissidências familiares, e tem consciência de que a oposição é provisória. Já recebeu fora, deu fora, entende que o amor é pontualidade e que não deve decidir pelo outro ou amar pelos dois.

A mulher de 40 anos, cansada das aparências, cometerá excessos perfeitos. É mais louca do que a loucura porque não se recrimina de véspera. É ainda mais sábia do que a sabedoria porque não guarda culpa para o dia seguinte.

A beleza se torna também um estado de espírito, um brilho nos olhos, o temperamento. A beleza é resultado da elegância das ideias, não somente do corpo e dos traços físicos.

Encontrou a suavidade dentro da serenidade. A suavidade que é segurança apaixonada, confiança curiosa.

O riso não é mais bobo, mas atento e misterioso, demonstrando a glória de estar inteira para acolher a alegria improvisada, longe da idealização, dentro das possibilidades.

Não existe roteiro a ser cumprido, mapa de intenções e requisitos.

Há a leveza de não explicar mais a vida. A leveza de perguntar para se descobrir diferente, em vez de questionar para confirmar expectativas.

Ser tia ou mãe, ser solteira ou casada não cria angústia. Os papéis sociais foram queimados com os rascunhos.

A mulher de 40 é a felicidade de não ter sido. É a felicidade daquilo que deixou para trás, daquilo que negou, daquilo que viu que era dispensável, daquilo que percebeu que não trazia esperança.

Seu charme vai decorrer mais da sensibilidade do que de suas roupas. O que ilumina sua pele é o amor a si, sua educação, sua expressividade ao falar.

A beleza está acrescida de caráter. Do destemor que enfrenta os problemas, da facilidade que sai da crise.

A beleza é vaidosa da linguagem, do bom humor. A beleza é vaidosa da inteligência, da gentileza.

Depois dos 40 anos não há depois, é tudo agora.

Giorno D' Giorno



Cotada para assumir o Ministério da Educação, Viviane Senna, presidente do Instituto Ayrton Senna, se reuniu na manhã desta quarta-feira (14) em Brasília com a equipe de Jair Bolsonaro (PSL).

O encontro foi confirmado à Folha de S.Paulo pela assessoria do instituto por meio de nota. "O Instituto Ayrton Senna foi convidado pela equipe do governo eleito para apresentar um diagnóstico e caminhos de melhoria da educação brasileira."

Segundo pessoas que integram o gabinete de transição, o nome de Viviane é estudado para assumir a Educação do próximo governo. Ainda durante a campanha, a presidente da ONG visitou Bolsonaro em sua casa, no Rio de Janeiro.

Viviane é irmã de Ayrton Senna, piloto tricampeão brasileiro de Fórmula 1 que morreu em acidente em maio de 1994 enquanto competia na Itália.

Com o objetivo de não chamar a atenção, Viviane se reuniu com o futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, em uma agenda secreta, fora do escritório da transição.

A reunião teve as participações de Mozart Neves Ramos, diretor do Instituto Ayrton Senna, da deputada federal eleita Joice Hasselmann (PSL-SP), responsável por ter apresentado Viviane a Bolsonaro, e de integrantes do Movimento Todos pela Educação.

O nome de Viviane é avaliado como ideal por auxiliares do presidente eleito, mas pessoas próximas a ela dizem que a psicóloga ainda tem resistências em eventualmente assumir um cargo público.

Com informações da Folhapress


Uma comerciante ficou milionária por um dia no Espírito Santo, devido a um erro bancário. Vanilda Bruni de Souza teve uma surpresa ao ver o seu saldo e ver que estava com R$ 2 milhões e 57 mil de saldo. As informações são do G1.

A sobrinha da comerciante, Paula Beatriz de Souza, que percebeu o erro e comunicou. "Eu falei 'tia, tem dinheiro demais na conta, é muito dinheiro e eu não sei de onde veio, tem alguma coisa errada'", contou.
Antes do erro, Vanilda tinha cerca de R$ 1.500 de saldo. Depois disso, ligou para o banco e falou com o gerente. "Quando ele abriu, ele se assustou e falou que a sua conta está milionária", falou a comerciante.

Pouco tempo tempo o erro foi reparado e Vanilda diz que nunca pensou em se aproveitar do dinheiro, apesar das muitas dívidas que diz ter.


O incêndio que atinge a Califórnia, nos Estados Unidos, desde quinta-feira (8) vem fazendo estragos e destruindo casas. Alguns atletas e ex-atletas estão entre os afetados, como é o caso de Kevin Durant, ala do Golden State Warriors.

O jogador tem mansão em Malibu, uma das áreas mais afetadas pelo fogo, mas ainda não se pronunciou sobre o estado de sua casa. Durant comprou o imóvel, avaliado em 12 milhões de dólares (cerca de R$ 45 milhões na cotação atual), em abril deste ano.

Quem acabou mais prejudicado até agora foi Eric Wynalda, ex-jogador da seleção de futebol dos EUA. Ele publicou no Twitter que a casa dele foi totalmente destruída no incêndio. "Perdemos nossa casa, mas estamos bem. Você pode reconstruir casas, trocar pertences, mas não substituir a vida", escreveu.

Já 20 membros do Los Angeles Rams, time da NFL, têm casas nas áreas de evacuação, entre eles o quarterback Jared Goff. Já Caitlyn Jenner, que foi campeã olímpica no decatlo nos Jogos de Montreal, em 1976, antes da transição de gênero, teve sua residência parcialmente danificada pelo fogo. Ela adquiriu o imóvel em 2015 por 4,6 milhões de dólares (cerca de R$ 17,3 milhões na cotação atual).

Outro ex-atleta que evacuou sua casa foi Wayne Gretzky, um dos maiores jogadores de hóquei no gelo da história. Ele deixou a residência em Thousand Oaks, comprada em abril deste ano por 13,5 milhões de dólares (cerca de R$ 51,5 milhões na cotação atual) e está no Canadá. A situação é a mesma de Paul Pierce, ex-jogador da NBA, que também deixou a casa dele em Calabasas.

Por fim, LeBron James revelou que consegue ver o fogo à distância da casa dele, em Brentwood, mas ainda não precisou evacuar o local. A mansão é avaliada em 23 milhões de dólares (cerca de R$ 87,8 milhões na cotação atual).

Com informações da Folhapress


O governo de Cuba informou nesta quarta-feira que está saindo do programa social Mais Médicos no Brasil devido às declarações "ameaçadoras e depreciativas" do presidente eleito Jair Bolsonaro, que anunciou mudanças "inaceitáveis" no projeto governamental.

"Diante desta lamentável realidade, o Ministério da Saúde Pública (Minsap) de Cuba tomou a decisão de não continuar participando do programa 'Mais Médicos' e assim o comunicou à diretoria da OPS (Organização Pan-Americana da Saúde) e aos líderes políticos brasileiros que fundaram e defenderam esta iniciativa", anunciou a entidade em comunicado.

Cuba tomou a decisão de solicitar o retorno dos mais de 11 mil médicos cubanos que trabalham atualmente no Brasil depois que Bolsonaro questionou a preparação dos especialistas, condicionou sua permanência no programa "à revalidação do diploma" e impôs "como via única a contratação individual"

"As modificações anunciadas impõem condições inaceitáveis e descumprem as garantias estipuladas desde o início do programa, que foram ratificadas no ano de 2016 (...) Estas condições inadmissíveis tornam impossível manter a presença de profissionais cubanos no Programa", diz a declaração do Minsap.

Em setembro de 2016, pouco depois do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, surgiram dúvidas sobre a continuidade dos 11.400 médicos cubanos no programa, que leva atendimento médico a comunidades desfavorecidas e remotas, para onde os profissionais brasileiros não querem se transferir.

Naquele momento, Cuba afirmou que manterias seus especialistas no Brasil. O país caribenho tem a exportação de serviços profissionais entre suas principais fontes de receitas.

Nos discursos após as eleições, Bolsonaro anunciou uma mudança na política externa brasileira após sua posse em 1º de janeiro.

O presidente eleito criticou o atual modelo do programa Mais Médicos e, embora defenda a sua continuidade, esclareceu que os cubanos teriam que receber seu salário integral e trazer suas famílias para viver com eles no Brasil.

"Quem vem aqui procedente de outros países ganha um salário integral. Os cubanos ganham aproximadamente 25% do salário. O resto vai para alimentar a ditadura cubana?", questionou Bolsonaro no dia 3 de novembro.

Em seu comunicado, o Ministério da Saúde cubano respondeu que "não é aceitável que se questione a dignidade, o profissionalismo e o altruísmo" dos médicos cubanos que prestam serviços hoje em 67 países, onde, "em sua imensa maioria", os gastos destas missões são assumidos por Havana.

"Os colaboradores tiveram o tempo todo a manutenção de seus postos de trabalho e de 100% de seus salários em Cuba, com todas as garantias trabalhistas e sociais, como acontece com os demais funcionários do Sistema Nacional de Saúde", insistiu o Minsap.

A participação cubana no Mais Médicos acontece através da Organização Pan-Americana da Saúde e, em seus cinco anos de funcionamento, cerca de 20 mil profissionais cubanos prestaram atendimento a 113,3 milhões de pacientes brasileiros.

"Mais de 700 municípios tiveram um médico pela primeira vez na história", diz a declaração do Minsap, que destaca o trabalho dos médicos cubanos nas favelas de Rio de Janeiro, São Paulo, Salvador e na Amazônia.

Em Cuba, o salário médio estatal quase não ultrapassa os US$ 30 por mês, por isso uma missão no exterior é uma das vias legais mais frequentes para que os profissionais qualificados da ilha aumentem seus rendimentos, apesar de o governo cubano ficar com parte dos salários que os países pagam a esses especialistas.

Nesta semana, nos veículos de imprensa cubanos - vistos como a posição oficial do governo - foram publicados vários comentários críticos sobre Bolsonaro, especialmente devido a seus posicionamentos contra a Venezuela, o principal aliado político de Cuba na região.

Agência EFE


Um policial militar morreu durante a operação que as forças de segurança fazem, por volta das 5h desta quarta-feira, em Belford Roxo, na Baixada Fluminense. O soldado Diogo Gama Alves Mota era lotado lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Morro do Andaraí. Ele foi ferido na Avenida Joaquim da Costa Lima, no trecho próximo à Rua Catumbi, no bairro São Leopoldo, após furar duas blitzes feitas por equipes do Exército.

Segundo o Comando Militar do Leste (CML), o soldado, que estava em trajes civis, abriu fogo contra os militares. Um deles reagiu e atirou em Diogo. O soldado da PM morreu no local.

Durante o tiroteio, um disparo atingiu um homem que havia sido parado na segunda blitz e havia acabado de ser liberado. Carlos Cesar de Azevedo, de 66 anos, foi baleado na perna. No carro dele, um Chevrolet Cobalt, havia de dez marcas de tiros. O homem foi levado para o Hospital Geral de Nova Iguaçu, também na Baixada. Segundo parentes, está fora de risco.

No carro do policial, foi encontrada uma pistola com registro da corporação. A Delegacia de Homicídos da Baixada Fluminense (DHBF) foi acionada para fazer uma perícia no local do confronto.

Agente pode ter confundido militares com bandidos

O PM que morreu tinha 35 anos, era motorista do comandante da UPP e estava indo para o trabalho. O local onde estavam acontecendo as blitzes era a rota normal dele. É uma área considerada extremamente perigosa. Segundo a polícia, como estava escuro, ele pode ter confundido os militares com bandidos.

O Comando Conjunto informou que será instaurado um Inquérito Policial Militar (IPM) para apurar todas as circunstâncias do fato. A Polícia Militar não se pronunciou sobre o caso.

Ação mobiliza mais de três mil homens

A operação deflagrada pelo Comando Conjunto mobiliza três mil homens. As equipes se encontram em 18 comunidades: Palmeira, Castelar, Vilar Novo, Santa Amélia, Morro da Fonte, São Leopoldo, Gogó da Ema, Bom Pastor, Parque São Vicente, Parque Floresta, Morro da Galinha, Morro da Caixa D'Água, Morro do Machado, Guaxa, Parque Roseiral, Vale do Ipê, Parque São José e Santa Teresa.

Participam da ação três mil militares das Forças Armadas, 130 policiais civis e 250 policiais militares. Os agentes contam com o apoio de veículos blindados e aeronaves. As equipes fazem revistas e realizam, também, a retirada de barricadas.

Jornal Extra


O ex-prefeito da cidade de Baraúna, no Curimataú da Paraíba, foi morto pelo pai após ser confundido com um assaltante na noite desta segunda-feira (12). De acordo com a Polícia Civil, Alyson Azevedo tinha 37 anos e foi até a casa do pai, Adilson Azevedo, também ex-prefeito da cidade, depois de ser chamado por vizinhos porque uma fumaça estava saindo da casa dele e ninguém conseguia acordá-lo.

Alyson correu até a casa do pai e tentou arrombar a porta. Nesse momento, o pai atirou de dentro da casa contra o filho achando que se tratava de um assalto. Alyson Azevedo foi baleado no peito, chegou a ser levado para o Hospital de Picuí, mas não resistiu e morreu.

A fumaça que saía da casa e chamou a atenção dos vizinhos era de uma panela que estava no fogão. O pai, Adilson Azevedo, vai prestar depoimento à polícia nesta terça-feira (13) sobre o caso.

Alyson Azevedo foi eleito prefeito da cidade de Baraúna em 2008, pelo MDB, enquanto seu pai, Adilson Azevedo, foi o candidato eleito das Eleições 2000, pelo mesmo partido, na época ainda PMDB.

Casa de Adilson Azevedo, em Baraúna, onde o crime aconteceu — Foto: Artur Lira/TV Paraíba

G1 PB


O duelo já está marcado. A arena do combate terá dois expoentes: o novo responsável pela segurança pública e o poderoso chefe do crime organizado, que consegue comandar mesmo estando enclausurado. Em torno dos dois, gira a queda de braço: Moro versus Marcola. Quem será mais rápido no gatilho? As informações são do Portal R7.

Não se trata aqui de medir a dimensão dos bíceps, e sim o que as duas forças antagônicas representam. Marcola domina a força do crime organizado, com habilidade empresarial, detendo exclusividade no tráfico de cocaína e o contrabando de armas e munições. Moro vai comandar a estratégia de segurança, que inclui um ministério próprio, fundido ao de Justiça, e o Departamento Penitenciário Federal.

O clima que procura antever o que Jair Bolsonaro será capaz de fazer como presidente chegou aos presídios. O eco das preocupações com endurecimento do regime, alusões fantasmagóricas a tortura contemporâneas e perseguição implacável aos mal-aventurados, chegou aos estabelecimentos prisionais. Fala-se em investidas virulentas contra prisioneiros, especialmente os de grosso calibre.

A preocupação chegou a tal ponto que se montou um plano arrojado para resgatar Marcola e alguns outros presos considerados perigosos, num ataque que seria feito por uma verdadeira brigada do crime à penitenciária de segurança máxima em Presidente Wenceslau, na região de Presidente Prudente.

O audacioso plano foi descoberto pela Polícia Federal e diante das informações recebidas o juiz da Comarca mandou fechar o aeroporto local, avisou no Comando Militar do Sudeste e acionou a Polícia Militar, que mandou para lá tropas do Comando de Choque, em especial a Rota, que é seu 1º Batalhão. O Exército treinou PMs para manuseio de potentes armas antiaéreas. Clima de guerra: Estado versus PCC, a poderosa facção criminosa.

Num regime democrático civilizado, após os embates eleitorais repletos de lances dos mais vis, já passa da hora de constatar que temos uma só bandeira, um só hino, uma só língua e mais importante do que tudo: formamos um só povo. Sendo assim, e é, um só povo quer ver respeitados os direitos de todos, não apenas em guetos sociais, sexuais, étnicos, mas rigorosamente para todos os seres humanos. Todos. Não se trata de cavar trincheiras à esquerda e à direita, seja lá o que isso possa significar hoje, mas abrir espaços para o bem comum, na busca (utópica?) da felicidade sem restrições.

Exatamente aqui entram o juiz que vai deixar a magistratura, Sérgio Moro, e o chefão do crime, Marcos William Herbas Camacho, o Marcola. De um lado, o ministro duplo, Justiça e Segurança. Do outro, o chefão. Ministro da Justiça, observe-se, não é ministério de um dos três Poderes. A pasta fica em mãos, na essência, para um articulador político e conselheiro do presidente de República.

O prédio do Ministério, em Brasília, obra de Niemayer, exibe uma admirável simbologia: à entrada, uma cascata jorra água permanentemente, dizendo que ali está a fonte da Justiça. O da Segurança é uma criação nova, bem recente, sucessor de uma Secretaria Especial, sempre ocupada por gente que nunca fez o que dizia ser necessário fazer diante desse tipo de problema, de cruciais dimensões nacionais.

Do outro lado, Marcola demonstra do que é capaz como gerente principal do crime. Do cárcere, articula relações interestaduais e dá os primeiros passos nos contatos internacionais. Já mandou matar um juiz, Antônio Machado Dias, responsável pelo cumprimento das penas, metralhado quando saia do Fórum em Presidente Prudente. O Estado capitulou: após o assassinato do juiz, com o medo dos jurados e temor de promotores e juízes, transferiu julgamentos pelo Tribunal do Júri, principalmente os do PCC, para a Capital.

Nas audiências, os prisioneiros do PCC com portavam-se de maneira inacreditavelmente arrogante. Antes disso, Marcola tinha canal direto de comunicação com a Administração Penitenciária, que até a sangrenta rebelião na Casa de Detenção, em 1992, era ligada à Secretaria da Justiça. O Governo de São Paulo chegou a negociar diretamente com ele para evitar ataques a policiais e repartições públicas em São Paulo. Para evitar desgastes políticos, minimizou o poder da organização do crime, embora ele fosse comprovadamente devastador.

A ribalta do crime personifica, agora, os protagonismos. Polarizados. Há muito receio diante do crime em todo o país. Uma matança sem fim é a marca registrada com mais de 60 mil assassinatos anuais. Violência de tudo quanto é tipo — assassinatos, roubos, latrocínios, furtos, golpes, agressões, tráfico de drogas, ameaças, impunidade. Alguém ainda não sabe que é assim? O super-ministro Moro já disse quer há “leniência” no sistema penitenciário. A palavra é suave, considerando-se que ele é considerado escola do crime, que piora quem entrou e a altíssima reincidência indica a sua inutilidade.

Diante do cenário, que não deixa ninguém viver em paz, até a arquitetura nas cidades foi mudada: em vez de beleza, segurança — grades, alarmes, cercas elétricas, câmeras de vigilância, cacos de vidro nos muros. Para enfrentar essa situação, repleta de causas e fatores, temos curiosos demais dando palpites infelizes, muitos deles apresentando-se como “especialistas em segurança”, juristas” e “professores”.

Recentemente, uma professora de Universidade no Rio de Janeiro disse que bandido anda armado de fuzil porque é “obrigado” a fazer isso para enfrentar a Polícia. Dá para entender? Ela já viu um bandido frente a frente? Não. Já foi a um presídio barra pesada? Não.  Vai a uma delegacia? Não. Entrou num quartel? Não. Foi a um Fórum Criminal? Não. Especialista em que, então? Pela lógica da mestra, o grande especialista em crime seria o criminoso, que por sinal toma todas as iniciativas inovadoras para passear pelas páginas  do Código Penal.

Moro versus Marcola. Cartas na mesa. A sorte está lançada.

Para Moro, ouso dizer que como o conselheiro do presidente ele vai orientá-lo em questões jurídicas. Moro tem pós-graduação em Harvard e poderá ser um bom conselheiro. Sabe que muito se interpreta sobre o que está escrito. Refiro-me às normas jurídicas. A minha ousadia é recomendar-lhe a leitura de Umberto Eco, escritor, filósofo, semiólogo e linguista. Ensina ele (“Os limites da interpretação”): “Frequentemente os textos dizem mais do que os seus autores pretendiam dizer, mas menos do que muitos leitores incontinentes gostariam que eles dissessem”.

A observação é pertinente para a Constituição e o Código Penal, já que para ambos não existe monopólio de leitura. Mas que tem gente que lê o que não está escrito, tem. Bandido armado de fuzil, por exemplo: é mero ato preparatório?  Não existe nada consumado nessa atitude? Reprimi-la significa exclusão de ilicitude? É defesa própria ou de terceiros?

Marcola não precisa ler Umberto Eco nem Michel Foucault, até porque despreza totalmente Nelson Hungria, pois ele é o legislador da Lei do Cão, que vigora implacavelmente no mundo do crime.

Quando meu amigo Tim Lopes foi trucidado no Complexo do Alemão, subi ao morro para ver como são as coisas para escrever o livro “Narcoditadura”. Numa escola, percebi que balas estavam zunindo por todos os lados. O risco de não serem perdidas era iminente. Percebi também que a professora da classe estão acostumada com aquilo. As crianças, também. Ela mandou, aos gritos, e os alunos obedeceram: “Joguem-se no chão! Fiquem que nem cobra! Cobra não levanta a cabeça!”.

Vivi assim meus minutos de cobra. Deitado no chão para me proteger, pensava nas teorias insepultas nos repletos cemitérios de poesias bizantinas. O sapo não pula por boniteza, mas por precisão. Foi o que Guimarães Rosa certa vez escreveu. Deixo o convite: vamos pensar juntos sobre esses problemas que são de todos nós, civilizadamente? O Brasil está precisando e agradece.

As informações são do Portal R7


A Polícia Federal prendeu em Roraima o garimpeiro Pedro Emiliano Garcia, único brasileiro vivo já condenado por genocídio, definido como crime contra a humanidade.

Sua prisão foi decretada em setembro, como parte da operação conjunta do Exército, da Polícia Federal, Ibama e outras agências federais e estaduais contra a mineração ilegal na Terra Indígena Ianomâmi. Desde então, Garcia estava foragido, até ser detido no dia de Todos os Santos (1º).

Iniciada na manhã do dia 27 de setembro, a operação denominada Tori envolve 200 policiais federais e cumpriu 77 mandados judiciais, entre os quais 29 prisões decretadas pela Justiça Federal, em Boa Vista (capital do estado).

A ação da PF se somou à do Exército que desde o início de agosto realiza a Operação Curare 9, com intervenções dentro da Terra Indígena, como a implantação de bases permanentes de vigilância do fluxo dos criminosos pelos principais rios da região. Também participam das operações o Ibama, a Anatel e a Polícia Militar de Roraima.

Em 1997, Pedro Emiliano Garcia foi condenado pela Justiça Federal a 20 anos de prisão por genocídio, como líder do que ficou conhecido como "massacre de Haximu" (1993), quando 16 ianomâmis, incluindo quatro crianças e um bebê, foram mortos a tiros e depois retalhados com facão.

Garcia era dono de balsas usadas em garimpo em rios na região, perto de áreas habitadas por índios de pouco contato, como uma comunidade chamada de Haximu, com cerca de 80 moradores.

Os indígenas costumavam pedir bens como uma espécie de troca pela invasão de suas terras. Alguns índios teriam atacado garimpeiros após uma discussão em que ficaram descontentes com o que receberam.

Em vingança, Garcia e outros chefes de garimpo organizaram um ataque, que objetivava eliminar toda a comunidade, mas só encontraram um acampamento de velhos, mulheres e crianças, as vítimas. O crime teve grande repercussão na imprensa nacional e internacional.

O Ministério Público Federal acusou os responsáveis por genocídio, um processo único na história da Justiça brasileira. Na época, a acusação ficou a cargo, entre outros, do procurador Luciano Mariz Maia, atual vice-procurador-geral da República.

Os cinco acusados foram condenados em primeira instância em 1997. A sentença foi confirmada pelo Supremo Tribunal Federal em 2000.

Apesar da gravidade do crime, a condenação, inédita, foi extinta pouco mais de dez anos depois. A União tem poucas prisões. Assim, condenados pela Justiça Federal normalmente cumprem sentenças em presídios estaduais, ficando sob a guarda da Justiça local.

A 3ª Vara Criminal de Roraima deu por cumprida a pena em 20 de janeiro de 2011, e Garcia foi solto. Dos cinco condenados pelo crime, só Garcia está vivo, segundo levantamento da polícia no estado.

Logo após ser solto, Garcia voltou a garimpar na mesma região onde praticou o crime hediondo e, em 2012, foi detido em uma operação antigarimpo chamada Xawara; em 2015, a cena se repetiu em nova ação de repressão à mineração ilegal. Nenhum dos dois casos chegaram até hoje a julgamento.

Ao longo dos últimos anos, Garcia parece ter enriquecido, segundo as investigações de várias agências federais que levaram a sua atual prisão.

De proprietário de balsa de lavra de ouro próxima a Haximu, em 1993, ele passou a proprietário de dois aviões que abastecem áreas de exploração de mineração ilegal: um bimotor King-air e um monomotor Cessna 182.

Em janeiro passado, o Cessna caiu dentro do rio Mucajaí quando não conseguiu pousar em uma pista irregular de garimpo. O avião foi recuperado e voltou a operar. Mas a ocorrência chamou atenção das autoridades e deu início ao processo atual, em que o Ministério Público Federal em Roraima pediu sua prisão.

O caso corre em sigilo de Justiça, por isso a detenção não foi noticiada e nem mesmo seu paradeiro atual. A prisão ocorreu como parte das ações da Polícia Federal contra os empresários que atuam no abastecimento aos garimpos, atividade considerada a parte mais lucrativa da cadeia do tráfico de ouro ilegal e que envolve empresários e políticos baseados na capital.

O Ministério Público do Trabalho aponta a ocorrência de trabalho escravo nos garimpos da Amazônia: mantidos em condições extremamente adversas no campo, os garimpeiros pobres servem de cobertura para uma atividade empresarial altamente lucrativa que envolve a cadeia de produção em Roraima e a distribuição do ouro no mercado do Rio e de São Paulo, tanto para joalherias quanto para Distribuidoras de Valores Mobiliários com atuação em Bolsa de Valores.  

Folhapress


A equipe do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), pretende fazer um pente-fino nas próximas semanas no que classifica como “aparelhamento” dos bancos federais, como Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal, nas gestões do MDB e do PT. Eles começaram a preparar relatórios sobre quem é quem em cargos com salários entre R$ 30 mil e R$ 60 mil. O objetivo é saber quem está somente por apadrinhamento político e fazer uma ampla reestruturação no comando dos bancos estatais.

As informações, segundo integrantes da transição, estão sendo levantadas por “grupos voluntários” de funcionários de carreira do Banco do Brasil (BB), da Caixa Econômica Federal (CEF), do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), do Banco do Nordeste (BNB) e do Banco da Amazônia (BASA).

O pente-fino nos bancos federais será feito a partir desses relatórios, com o objetivo de mexer nos cargos executivos - demitir não concursados e trocar funcionários de carreira nesses postos, afastando indicados políticos e até cortando funções para reduzir o quadro total. Em relação aos executivos de carreira, o novo governo também pretende diminuir benefícios, que acabam inflando os gastos totais.

Banco do Brasil
Um dos alvos do pente-fino será o Banco do Brasil, onde há apadrinhados de políticos que ocupam cargos com salário de até R$ 61,5 mil. O grupo de funcionários que prepara um relatório sobre a situação do banco para apresentar à equipe de Bolsonaro está mirando especialmente executivos de carreira da instituição que foram nomeados durante os governos petistas e sobreviveram às “limpezas partidárias” de Temer.

Uma revisão total no BB pode atingir até indicados de grupos aliados do novo governo. Embora seja funcionário de carreira do banco, o vice-presidente de Agronegócio foi indicado pela Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), entidade presidida por Tereza Cristina, futura ministra da Agricultura. Ele também passou pelo crivo do atual ministro Blairo Maggi.

A entidade decidiu pela escolha de Marco Túlio Moraes da Costa, diretor de Agronegócio. Costa está no banco desde 1982 e passou por diversos cargos, incluindo o de superintendente regional em Sinop, no Mato Grosso. No município, ele manteve contato com as empresas da família Maggi.

Nos governos do PT, o Banco do Brasil passou por uma ampliação de sua estrutura de comando. Além de nove vice-presidentes (salário de R$ 61,5 mil cada) e 27 diretores (R$ 47,7 mil), a instituição criou 11 cargos de gerente-geral (R$ 47,7 mil) – a ampliação de diretorias para abrigar funcionários sintonizados com os partidos de sustentação do governo exigiria uma complexa mudança estatutária. As remunerações estão acima do teto do funcionalismo público de R$ 33,7 mil.

Os cargos de gerente-geral e diretor podem indicar, em média, quatro gerentes executivos, função com salário de R$ 36,3 mil. O gerente executivo indica em média quatro gerentes de soluções, com remuneração de R$ 24 mil cada. Todos os cargos descritos recebem ainda, a cada seis meses, entre dois e três salários por Participação nos Lucros e Resultados, o PLR.

Assim, a folha mensal de pagamento de salário dos 1.048 ocupantes de cargos executivos do banco tem um gasto total de R$ 28, 9 milhões.

Funcionários que atuam na preparação de relatórios para a equipe de Paulo Guedes (futuro ministro da Economia) afirmam que o grande problema do aumento desses cargos foi a fixação de um “sombreamento” de funções, abrindo disputas entre vice-presidentes e diretores por executivos e áreas de atuação.

Parte dos funcionários diz que visão sobre aparelhamento é exagerada

Uma parte dos funcionários, porém, avalia que há exagero na visão do “aparelhamento” e que muitos dos ocupantes dessas funções ascenderam por meritocracia num momento de ampliação dos investimentos da instituição.

Das 11 unidades criadas, eles afirmam que quase todos são técnicos, sendo pelo menos dois indicados nos governos do PT e dois do MDB. O apadrinhamento político ocorre mesmo sendo o BB uma instituição com ações no mercado e sujeita a fiscalizações de órgãos de controle maior que nos demais bancos federais.

Já no caso da Caixa, a diretoria do banco tinha um presidente e seis diretores em 1994. Hoje, a instituição conta com 12 vice-presidentes que recebem salário de cerca de R$ 50 mil, fora gratificações. No fim de outubro, auxiliares de Bolsonaro reclamaram da decisão do presidente Michel Temer de chancelar a nomeação de quatro vice-presidentes, cargos que estavam vagos desde o começo do ano quando o governo recebeu recomendação do Banco Central e do Ministério Público do Distrito Federal para demitir executivos citados nas delações da Operação Lava Jato. O Palácio do Planalto informou ao grupo de Bolsonaro que o processo de seleção foi “profissional”.

O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, disse que vai repassar para a equipe de transição a lista de cargos de “livre provimento” com data de nomeação. “Facilmente, o grupo de Bolsonaro poderá saber quais foram as nomeações feitas no nosso governo, que entrou em maio de 2016, e quem foi nomeado antes, que eram basicamente do PT. Pode ter gente sim do PT que não foi trocada”, disse. “As nomeações do nosso governo são de nossa responsabilidade.”

Dois auxiliares diretos de Bolsonaro relataram à reportagem que a meta é fazer um “pente-fino”. Eles dizem esperar que na transição a Secretaria de Governo, no Planalto, repasse a lista dos apadrinhados na estrutura das institucionais, especialmente nos bancos federais.

O que dizem os bancos
O Banco do Brasil não se manifestou até a conclusão desta edição. O BNDES afirmou que a diretoria é formada por um presidente e cinco diretores, mas a maioria é de funcionários de carreira e abaixo dela estão os superintendentes e chefes de departamentos, funções que exigem concurso público.

A Caixa informou que “não se manifestará sobre o tema”. O Banco do Nordeste afirmou que não tem “conhecimento do assunto”. O Banco da Amazônia informou que avaliará o pedido na próxima semana.

Gazeta do Povo




Um homem foi preso na manhã desta terça-feira (13/11), na região das Populares do Alto da Boa Vista na cidade de Ipu (CE), com drogas, pistola e munições.

De acordo com a Polícia Civil, a frente o delegado Dr. Rômulo, foram apreendidas pedras de crack, uma pistola 380 com carregador extra, várias munições, um celular, punhal, balança de precisão e dinheiro.

A Polícia informou que a apreensão aconteceu após cumprir mandato de busca e apreensão na casa do suspeito identificado como sendo Francisco Wellington Oliveira Almeida, 27 anos.


Ipu Notícias



Um homem, 41 anos, foi preso, nesta segunda-feira (12/11), suspeito de ameaçar e extorquir um idoso de 70 anos. A prisão foi realizada pela Polícia Militar de Ipu no Galpão dos feirantes no centro da cidade.

Segundo a polícia, Francisco Ricardo da Silva, residente no bairro do Corte em Ipu, teria agrediu o idoso para obter a força o dinheiro da aposentadoria. A PM foi acionada e localizou o acusado momentos depois do ocorrido.

Ele foi encaminhado para a Delegacia de Polícia Civil de Ipu onde foi flagranteado com base no artigo 158 do CPB (extorsão). Após o procedimentos o acusado foi encaminhado para a Cadeia Pública de Ipu, onde se encontra recolhido a disposição da justiça.

Ipu Notícias


Policiais do Pelotão Raio realizaram mais uma apreensão de arma e drogas em Tianguá. O fato ocorreu na tarde desta segunda-feira (12/11), durante policiamento realizado na rua Adalto Damasceno, mais popularmente conhecida como “rua do Arame”, no bairro do Estádio.

Os PMs averiguavam denuncias de possível tráfico de drogas em uma residência e ao localizar o endereço citado na denuncia, foi apreendido dentro do imóvel, um revólver calibre 38, maconha, cocaína além de relógios e celulares de procedência duvidosa.

O responsável pela casa, identificado pelo nome de “Marcinho”, não foi encontrado no local. A  companheira do mesmo, uma senhora de 41 anos de nome Neuziana de Oliveira Melo, assumiu a propriedade do material, sendo então conduzida a Delegacia de Tianguá, onde foi autuada por crime de tráfico de drogas e posse ilegal de arma de fogo, conforme Inquérito Policial nº 560 - 788/2018.

Ibiapaba 24 Horas


Uma ossada humana foi encontrada por populares na tarde desta segunda-feira (12/11), no bairro Planalto, próximo ao prédio da OAB, em Tianguá, região da Serra da Ibiapaba.

Uma parte dos ossos foi encontrada exposta parcialmente em um saco grande, enquanto outra parte foi encontrada em uma cova rasa, semiaberta.

Profissionais do Instituto de Criminalística (Pefoce) foram acionados para periciar o local, em seguida a ossada foi removida ao IML de Sobral.


Ibiapaba 24 Horas


O Comando da 3ª Cia/BPMA sob a determinação do Coronel Paulo de Tasso, cumpriram solicitação nesta segunda-feira (12/11) da ADAGRI, conforme ofício nº 026/2018 onde foram executados 175 porcos acometidos pela "Peste Suína Clássica", doença altamente infectocontagiosa no distrito de Abílio Martins, em Ipu, região noroeste do Estado do Ceará.

Segundo informações repassadas pela Polícia Militar, todos os 175 porcos foram executados com "Rifle Sanitário" e em seguida enterrados na mesma localidade, para evitar a disseminação da doença. A ocorrência teve o apoio de 04 (policiais) e 27 (vinte e sete) agentes federais e estaduais. A confirmação da doença ocorreu no último dia 07 de novembro, quando o O Coordenador de Sanidade Suida e da ADAGRI, Iran Maciel esteve presente na localidade realizando exames, o qual foram diagnosticados como positivos.

A Peste Suína Clássica (PSC), também conhecida como febre suína ou cólera dos porcos, é uma enfermidade contagiosa e muitas vezes, fatal aos suínos, causada por um vírus RNA envelopado pertencente a família Flaviviridae.

A contaminação geralmente se dá pela via oronasal e o período de incubação varia de 7 a 10 dias, sendo menor em casos de infecção experimental. Alguns fatores que são responsáveis pela propagação da doença são a alta densidade populacional e a presença de porcos silvestres, pois estes são um importante reservatório do vírus.


Ipaporanga Notícias