Depois de muita expectativa, a jornalista Taís Lopes estreou na bancada do Jornal Nacional ao lado do mineiro Thiago Rogeh (representante da afiliada da TV Globo em Tocantins) na noite deste sábado (19), no Rio de Janeiro. A participação faz parte de uma série comemorativa pelos 50 anos do telejornal. Ao encerrar o jornal, ela agradeceu a oportunidade com o uso de um termo bem característico do Nordeste. "Foi arretado demais estar por aqui hoje", revelou.

Desde quarta-feira (16), Taís e Thiago estiveram nos Estúdios Globo recebendo instruções do apresentador e editor-chefe William Bonner, além de terem participado de reuniões de pauta com a também apresentadora Renata Vasconcelos e toda a equipe do JN.

A tragédia do Edifício Andrea, que terminou com nove pessoas mortas e sete resgatadas com vida, foi destaque na edição deste sábado. Durante a chamada da matéria, a jornalista fez referência à cidade natal.

"Nesta semana minha cidade, Fortaleza, esteve no centro do noticiário. O Ceará todo esteve mobilizado acompanhando o trabalho dos bombeiros na busca por sobreviventes do prédio que desabou. Um trabalho que terminou hoje depois da confirmação de nove mortes", disse antes da matéria sobre o desastre ser exibida.

Taís Lopes dividiu a bancada do JN com o mineiro Thiago Rogeh. (Foto: Divulgação)
Na hora da previsão do tempo, o Ceará também ganhou destaque no JN. Taís chamou Tiago Scheuer, que abriu o quadro informando a temperatura em Fortaleza e a jornalista aproveitou para comentar sobre a ausência das chuvas no estado. "Bem que essa chuvinha aí prevista para outras regiões poderia ir para o meu Ceará", pediu Taís Lopes.

Diário do Nordeste

Na noite deste domingo (20/10), por volta de 05h20min a equipe da Guarda Civil Municipal (CGM) de Ipu, tomou conhecimento de que dois indivíduos estavam armados com facão no intuito de assaltar os romeiros. Os motopatrulheiros se anteciparam para abordá-los e os dois correram para o mato.

A equipe que estava na viatura da GCM, composta pelos guardas Farias, Sampaio, Gomes, Carvalho e Stephany, seguiu por uma estrada carroçavel, onde os suspeitos foram localizados. Na abordagem os indivíduos jogaram a arma no mato.

A ação de segurança da GCM foi finalizada, deixando a recomendação aos indivíduos, para que estes não viessem mais ao encontro dos romeiros, e que tomassem rumo as suas residências.

Local da ocorrência: CE-187, próximo a cidade de São Benedito. Abordagem: estrada carroçavel ao lado da rodovia.
GCM de Ipu

Um acidente entre um carro e uma moto deixou duas vítimas fatais na manhã deste domingo (20), no km 141 da CE-257, trecho entre Canindé e Santa Quitéria, próximo a localidade de Barro Vermelho, a seis km da sede daquela cidade.

Um veículo UP, de cor vermelha e placas PNV-6962, da cidade de Pacatuba, acabou colhendo duas pessoas que estava em uma moto Yamaha 250, de placas HYT-2787, da cidade de Tianguá. Com o impacto, o condutor da moto Kayo Sérgio Fontenele Paixão, 29, e a passageira que ainda não foram identificadas foram arremessados para o matagal, vindo a óbito no local. A moto ficou completamente destruída, bem como o carro bastante danificado.

O motorista do carro, Aureliano Gomes Coutinho Junior, 35, que é policial militar lotado em Fortaleza, foi socorrido pelo Samu para o Hospital Regional São Francisco e encaminhado para o Instituto Dr. José Frota, em Fortaleza, com fratura em um dos braços e um corte profundo na cabeça. O seu estado de saúde é considerado estável.

Kayo e a passageira estavam participando de uma motoromaria da cidade de Tianguá, inclusive, os corpos já estão no Instituto Médico Legal. As causas do acidente ainda são desconhecidas e deverão ser apontadas pela perícia. A ocorrência foi atendida pela Polícia Rodoviária Estadual.


A Voz de Santa Quitéria com informações do radialista Wellington Lima



Moradores do entorno do prédio que desabou estão apreensivos por não poderem voltar para casa. Na Travessa Benjamim Torres, casas apresentam rachaduras nas paredes. O medo é de novos desabamentos

Da porta de casa,dona Sula via todos os andares do Edifício Andrea. Hoje, preocupa-se com as rachaduras na vizinhança. (Foto: Melquíades Júnior)
"Pior está quem tudo perdeu. Mas vão ter que fazer alguma coisa com quem também sofreu". Dona Sula, de 76 anos, não fala de si, mas dos vizinhos. "A família da frente, esse aqui do lado. O outro lá mais perto. Foram embora, porque o prédio que caiu comprometeu o deles". No instante em que o Edifício Andrea desabou, os moradores das casas e condomínios ao redor desceram.

Residente há 40 anos da Travessa Benjamim Torres, dona Sula correu até a Rua Coronel Alves Teixeira e lá ficou com todos os vizinhos, de 10h30 às 17 horas. Lúcia, a vizinha da frente, voltou para casa e viu poeira e rachaduras em várias partes. São marcas deixadas pelo Edifício Andrea em outras paredes. Lúcia deu graças por estar viva. Olhou para o desespero de quem perdeu parentes e calou-se, mas foi preciso dizer: "nosso problema é o menor de todos, mas não tem condições de a gente ficar em casa, e não dizem nada se vão fazer alguma coisa em relação a isso. Não só pra mim, mas pra quem precisou ir embora". Moradores da travessa, próximos à área dos destroços, precisaram ser removidos, pelo risco de desabamentos. Foram sete remoções.

Vizinho relembra o desabamento. (Foto: Melquíades Júnior)
Moradores de casas e apartamentos afetados pelo abalo gerado com o desabamento do Edifício Andrea aguardam providências sobre um novo lugar para morar. A Defesa Civil Municipal irá vistoriar as casas atingidas nesta semana

Na casa de Lúcia, a sala apresenta rachaduras no forro; na cozinha, no quarto, na lavanderia. "Essa casa aqui tá perdida", diz seu esposo (preferiu não revelar o nome). Quando o pior aconteceu, estava sentado no sofá da sala. De um lado, observando a TV, de outro, a neta de quatro anos sentada à mesa fazendo desenhos no caderno, que está no mesmo lugar, coberto de terra. A família está temporariamente distribuída na casa de parentes no bairro Messejana.

A autorização recebida para entrar de volta em casa se dá apenas para pegar os pertences mais importantes. Desde então, o que se vê são sacolas e caixas sendo retiradas nas mãos até o fim da rua. Outros objetos mais pesados ficam na casa de vizinhos que não precisaram ser retirados.

"O mais importante será sempre salvar vidas, isso ninguém discute. Mas se for pra demolir o lugar que a gente mora, precisam pelo menos colocar nós num canto", diz a moradora Suzete Almeida.

Os "vizinhos da tragédia" tentam adaptar-se aos dias fora de casa de forma silenciosa, diante do pior, mas encerradas as buscas por vítimas sob os destroços do Edifício Andrea, moradores ouvidos esperam por novas providências no entorno.

Uma das filhas de dona Lúcia é corretora de imóveis e toma a frente na preocupação, aguardando um pronunciamento "dos governantes" sobre esta etapa da tragédia.

Medo de 'sair do chão'

Sempre que volta para casa, Francisco Neto evita passar de carro por um trecho da Rua Joaquim Nabuco.

- Por aqui, não.

- Que foi, pai?

- Não tá vendo esse prédio ali todo rachado? Morro de medo de 'tá' passando e esse bicho cair por cima da gente.

A filha, que achava um absurdo o pai pensar assim, não esquece mais deste momento. O pai já é conhecido por nunca querer morar em prédio. "Não quero morar em nada que sai do chão", sempre diz.

Em seu medo, Neto não olhava para o Edifício Andrea, dois quarteirões distantes deste, e apenas um de sua casa. É outro prédio no Dionísio Torres que apresenta avarias.

Mas a família mora por trás do Mercadinho Bom Jesus, que foi atingido pelos destroços do desabamento da semana passada. A residência apresenta rachaduras, e não cabe mais moradia. "Nunca pensei que um prédio fosse desabar tão perto de minha casa".

Diário do Nordeste

O comerciante João André Uchôa Gomes, 40 anos, afetado pelo desabamento do Edifício Andrea na última terça-feira (15), retoma aos poucos as atividades com o auxílio de voluntários. No dia da tragédia, ele estava no Mercadinho Bom Jesus, atingido pelos escombros, e conseguiu escapar pelo segundo andar do prédio quando se deu conta do que estava acontecendo. A partir desta segunda-feira (21), o sobrevivente vai retomar as atividades em um ponto localizado na Rua Tomás Acioli, a algumas quadras de onde tudo aconteceu.

André não terá despesas com o novo lugar de trabalho neste primeiro mês. “Antes de eu começar a trabalhar ali no Bom Jesus, eu já tinha contato com essa pessoa que vai me ajudar agora com esse ponto, porque eu cogitei abrir o meu negócio lá. Aí depois que isso aconteceu, eu fui atrás e ela disse que ia me ajudar”, conta. Além do aluguel abonado, o comerciante também recebeu doações de água e demais materiais de consumo com os quais já trabalhava.
O sobrevivente observa o trabalho de retirada dos destroços do Edifício Andrea na manhã deste domingo (20). (Foto: Thiago Gadelha)
O funcionário público Daniel Serpa, um dos voluntários que está desde terça-feira (15) auxiliando nesse processo, afirma que 50% das doações da sociedade recebidas no ponto de apoio montado próximo ao desabamento foram direcionadas para André. “Os outros 50% nós estamos vendo com as demais famílias afetadas. Algumas querem, outras não”, explica ele.

Diário do Nordeste


Encerrada a fase de buscas com a retirada da 9ª vítima do desabamento do Edifício Andrea, o cenário da tragédia deu espaço homenagens: na primeira, o Corpo de Bombeiros fez um ato em memória das pessoas que morreram no desatre. Ao toque de uma trombeta, os profissionais se posicionaram em fila, diante de um momento de silêncio. Em seguida, os voluntários entregaram flores aos integrantes da Corporação, além de abraços e palavras de agradecimento.

“Como em toda grande operação, agora deixamos nossa homenagem às vítimas”, afirmou o coronel Eduardo Holanda, comandante da operação, durante a primeira homanagem prestada. No local, lágrimas e sorrisos se misturaram entre os voluntários e bombeiros presentes.
 

Já o grupo de voluntários da área da saúde distribuíram flores e fizeram orações. “Além daquelas pessoas que estavam debaixo dos escombros, esses bombeiros que trabalharam dia e noite também precisavam de ajuda. Nós tentamos, de alguma forma, dar um pouco de conforto a eles”, disse Leila Diniz, uma das coordenadoras do grupo.

FOTO: Natinho Rodrigues/SVM
A também coordenadora e enfermeira Julyana Freitas detalha como foi o trabalho desses voluntários. “Nós tentamos organizar esse contingente de pessoas que queriam ajudar para que não acabassem atrapalhando. Também tentamos organizar as doações, não faltou nada. Agradecemos muito a solidariedade de todos os cearenses”, afirma.

FOTO: Natinho Rodrigues/SVM
Segundo Diniz, havia cerca de 50 voluntários por dia somente desse grupo, entre profissionais e acadêmicos de fisioterapia, massoterapia, enfermagem, técnico em enfermagem, medicina e psicologia. “A gente vê que a vida é muito rápida, mas podemos ter esperança sim, porque ainda existem pessoas para ajudar. Quando acontece uma tragédia desse tamanho, a gente tem muita gente para contar. Conseguimos unir nossas forças e trabalhar contra isso. Então, eu vejo que ainda existe amor no mundo”, acrescenta.

Diário do Nordeste




Uma mulher de 33 anos morreu em uma tragédia na manhã deste sábado em São Gotardo, no Alto Paranaíba. Ela foi atingida por um tiro de espingarda calibre 20 disparado de forma acidental por seu próprio filho, de 8, que teve acesso ao armamento na sede de uma fazenda que fica a seis quilômetros da zona urbana do município.

De acordo com a Polícia Militar, o caseiro da Fazenda São José da Lagoa, de 40, contou que nessa sexta-feira ouviu um barulho estranho na fazenda e por isso resolveu buscar e municiar a espingarda na sede da propriedade rural, como forma de se defender, deixando-a embaixo de uma cama na casa onde mora com a esposa, que fica no terreno da fazenda. Já neste sábado, saiu da casa em direção ao barracão onde faria seus trabalhos como caseiro do local quando escutou o barulho de um estampido.

Quando voltou à casa, se deparou com sua irmã caída ao solo desacordada com um ferimento na boca. Imediatamente, ele a socorreu até o Pronto-Socorro de São Gotardo e a unidade comunicou o fato à Polícia Militar.

O caseiro disse ainda aos policiais militares que atenderam a ocorrência que cometeu um erro ao deixar a arma em local de fácil acesso e informou a espingarda pertence ao dono da fazenda, de 44, que confirmou ser o responsável. Ele disse que adquiriu o armamento juntamente com a terra.

Depois de ir ao pronto-socorro, os militares se dirigiram à fazenda, onde ouviram da esposa do caseiro que a vítima do tiro e seus dois filhos, de 8 e 13 anos, estavam na casa dela a passeio. Ela relatou que em um determinado momento, na manhã de hoje, a criança foi ao quarto do casal e pegou a espingarda, apontando em direção à mãe e proferindo a seguinte frase em tom de brincadeira: "Olha aqui, mãe". Em seguida acabou fazendo o disparo, de forma acidental.

O caseiro foi encaminhado à delegacia por omissão de cautela e o dono da espingarda, que também é o dono da fazenda, foi levado para a Polícia Civil pelo crime de posse ilegal de arma de fogo e munição. A ocorrência foi encaminhada para a delegacia de plantão em Patos de Minas, também no Alto Paranaíba. A criança ficou sob os cuidados da família.

A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) informa que o caseiro foi preso em flagrante pelos crimes de omissão de cautela (artigo 13 do Estatuto do Desarmamento) e homicídio culposo. O segundo conduzido, o dono da fazenda, foi preso em flagrante pelo crime de posse ilegal de arma de fogo/ acessório/ munição de uso permitido. Ele foi liberado depois do pagamento de fiança no valor de R$ 1 mil. Foi apreendida uma espingarda calibre 20, além de seis unidades de cartuchos de calibre 20 intactos e outros seis vazios. A perícia esteve no local. O caso deve continuar em investigação pela delegacia responsável da cidade de São Gotardo.

Estado de Minas


Começou com um par e terminou com 320. Foi assim que uma mulher que vivia com cerca de 320 ratos em um carro precisou entregar seus animais de estimação a agentes da prefeitura de San Diego, Califórnia, na última quinta-feira.

Uma parte dos animais vivia em gaiolas, mas outros tinham liberdade para andar pelas engrenagens do veículo e até mesmo circular pela vizinhança. Eles começaram a incomodar os moradores e comerciantes da região, que reclamaram com a prefeitura. 140 dos animais estão com a San Diego Humanity Society, que os colocou para adoção.

Foi feita uma vaquinha online para conseguir ajudar a mulher, identificada como Carla, quantia com a qual ela alugou a van em que vivia.

Carla com a SUV Foto: Reprodução GoFundMe
De acordo com o capitão Dane Cook, responsável pela operação, o caso não está sendo tratado como crueldade, visto que a dona dava água e mantinha os animais alimentados. Carla pediu desculpas por a situação ter saído de controle.

Os ratos são animais que se multiplicam rapidamente. Uma fêmea saudável costuma dar à luz a uma ninhada que vai de 10 a 12 bebês, com uma gravidez que costuma durar por volta de 4 semanas. A maior parte dos ratos encontrados ou era muito jovem ou estava em período de gestação.

A página em que foi feita a vaquinha se pronunciou sobre o caso. "Ela é uma pessoa incrível que teve uma onda de azar e, se ela perder o emprego, será devastador", consta no site da www.gofundme.com.

Até a tarde desta sexta, haviam sido coletados US$5.068, superando a meta de US$5.000. O intuito da arrecadação é ajudar Carla a procurar auxilio psicológico.

Extra

Uma missão arqueológica no Egito encontrou ao menos 20 sarcófagos de madeira em ótimo estado de conservação na cidade de Luxor, no sul do país. Autoridades classificam essa como "uma das maiores e mais importantes descobertas anunciadas nos últimos anos".

Pesquisadores ainda não sabem precisar a data dos itens encontrados Foto: Divulgação/Ministério de Antiguidades
Imagens divulgadas pelo Ministério de Antiguidades egípicio mostram que os caixões de madeira ainda estão todos fechados, com pinturas e inscrições com cores vivas. As urnas funerárias estavam espalhadas em dois níveis de uma grande tumba na necrópole de Asasif, uma área cercada por cemitérios.

O ministro da Antiguidades do egito, Khaled Al-Anani, acompanha trabalho de arqueólogos Foto: Divulgação/Ministério de Antiguidades
Pesquisadores ainda não sabem precisar a data dos itens encontrados, mas na mesma região, já foram encontrados objetos datados de 18ª dinastia do Egito, que começou por volta do ano de 1539 A.C.

Há menos de uma semana, autoridades locais divulgaram outra grande descoberta na mesma região: uma "área industrial" usada para produzir itens decorativos, móveis e cerêmicas para tumbas.

Extra


O Corpo de Bombeiros (CB) confirmou no inicio da noite deste sábado (19) que o corpo da síndica Maria das Graças Rodrigues (53) foi retirado dos escombros do Edifício Andrea que desmoronou na manhã da última terça-feira (15) no bairro Dionísio Torres, em Fortaleza.

A síndica era a última vítima desaparecida, assim, o comandante do CB, Coronel Holanda, encerrou a operação de resgate.

A tragédia do Edifico Andrea causou a morte de 9 pessoas. Outras sete foram resgatadas com vida.

O Intrigante



Uma modelo de 38 anos, Maria Lucilene da Silva Monteiro, que estava desaparecida há cinco dias, foi encontrada morta com sinais de espancamento e estrangulamento no loteamento Novo Aquiraz, na rodovia estadual CE-040, na Grande Fortaleza, na manhã deste sábado (19).

Dois suspeitos - o marido dela, e um amigo dele Antonio Vanderlei Ferreira de Lima, 46 - estão detidos pela polícia e se encontram no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

A família de Maria Lucilene informou que o velório da modelo acontecerá nessa segunda-feira (20), às 8 horas, no Bairro Colônia, em Fortaleza, na residência da mãe da vítima. Segundo ainda os familiares, logo após a cerimônia, às 9 horas o corpo seguirá para ser enterrado no Cemitério Antônio Bezerra, no Bairro Antônio Bezerra.

A vítima estava desaparecida desde a última terça-feira (15), quando foi vista no Bairro Serrinha, em Fortaleza, saindo de casa com o marido.

Segundo informações do DHPP, o corpo de Maria Lucilene foi encontrado às margens da rodovia estadual. Um familiar, que preferiu não se identificar, disse que a vítima já foi encontrada em estado de putrefação.

Investigação
A polícia investiga o caso há três dias e já ouviu os familiares da vítima. Segundo o DHPP, a partir dos depoimentos, foi descoberto que o suspeito praticava violência doméstica contra Maria Lucilene e a polícia começou a investigar o caso como um possível feminicídio.

Diário do Nordeste



O Corpo de Bombeiros segue com os trabalhos de busca por pessoas desaparecidas nos escombros do Edifício Andrea, no Bairro Dionísio Torres, em Fortaleza, e chega ao 5º dia neste sábado (19). No final da manhã, o corpo do cuidador de idosos José Eriverton Laurentino Araújo, de 44 anos, que estava no apartamento 501, foi encontrado.

Apenas uma pessoa segue desaparecida: a síndica do prédio Maria das Graças Rodrigues, de 53 anos.
A operação de hoje mescla a busca manual e a retirada de escombros com maquinário mais pesado, com dois tratores recolhendo entulhos. A retirada ocorre em áreas periféricas, onde não há indícios, nem visuais e nem através dos cães, que possam ter pessoas.


 Durante a madrugada, os socorristas se concentraram em dois pontos específicos, indicados por um cachorro usado para auxiliar os trabalhos.


Tragédia em família
A oitava vítima Eriverton Laurentino, 44 anos, cuidava do casal de idosos no apartamento 501 do Edifício Andrea e foi o último corpo retirado.

Apesar de estarem no mesmo apartamento, os corpos foram encontrados em diferentes camadas. Isso mostra o colapso que o prédio teve, afirmou o comandante Luis Eduardo Holanda, do Corpo dos Bombeiros.

Diário do Nordeste



O Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE), por meio do Programa Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor (Decon), e o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) apreenderam 45 mil litros de cachaça produzidos em situação irregular. Foram fiscalizados estabelecimentos em seis municípios na Serra da Ibiapaba. A ação aconteceu entre segunda-feira (14/10) e sexta-feira (18/10), no âmbito da Operação Alambique, e foi realizada em parceria com a Secretaria da Fazenda do Estado (Sefaz-CE); a Polícia Militar e a Polícia Rodoviária Federal (PRF). De acordo com o MAPA, o quantitativo é o maior já apreendido da bebida na história do Estado.

A Operação Alambique aconteceu com o objetivo de verificar se os estabelecimentos possuíam Alvará de Funcionamento (AF), Licença Sanitária (LS), Certificado de Conformidade do Corpo de Bombeiros (CCCB), Livro de Reclamações (LR) e exemplar do Código de Defesa do Consumidor (CDC) disponíveis aos consumidores. Também foi verificado se os comércios exibiam Precificação dos Produtos e Serviços (PREC) e se emitiam Nota Fiscal (NF) ou documento equivalente; se expunham à venda produtos impróprios para o consumo; se possuíam registro para comércio de bebidas e se os rótulos das bebidas estavam de acordo com o Decreto Federal nº 6.871/09, e, por fim, se apresentavam registro no MAPA para comércio de bebidas.

A secretária-executiva do Decon, promotora de Justiça Ann Celly Sampaio, esclarece as ameaças para os consumidores quando os produtos não estão registrados pelos órgãos competentes. “Entre os principais riscos, destacamos a possibilidade de a produção ser manipulada de forma imprópria e a maior probabilidade de risco de contaminação das bebidas por metais pesados. Além disso, os produtos são vendidos sem recolhimento de impostos. Outra irregularidade é a comercialização da bebida em garrafas PET reutilizadas de outros produtos, pois esse não é um tipo de material apropriado para esse produto, além de haver o risco de a garrafa estar contaminada com substâncias usadas anteriormente”, explica. Segundo dados do MAPA, que tem trabalhado continuamente na Serra da Ibiapaba desde 2018, mais de 120 alambiques operam na região. Com produção estimada em 2,5 milhões de litros por ano, as bebidas são vendidas nos estados do Ceará, Piauí e Maranhão.

Confira abaixo os detalhes da fiscalização:

Segunda-feira (14/10)

São Benedito
• Fiscalização de rotina a dois alambiques da cidade (não houve registro de infrações).
Terça-feira (15/10)
Viçosa do Ceará

• Cachaça Meladinho: não foi constatada venda de bebidas alcoólicas no local; registros fotográficos foram feitos para análise posterior do MAPA de possíveis irregularidades.

Tianguá
• Artesanato Nunes: não apresentou AF, LS, CDC e LR;
• J. E. Artesanato: não apresentou AF, LS, CDC e LR.

Ubajara
• Foi lavrado Termo de Apreensão na localidade Sítio Jenipapo, zona rural da cidade.

Quarta-feira (16/10/2019)

São Benedito
• Cachaçaria Sabor da Serra: apresentou AF, LS, CCCB, CDC, LR e PREC. Foi feita a coleta de duas garrafas de um litro para análise posterior do MAPA;
• Varejão Chocobalas: apresentou AF, LS, CCCB, CDC, LR, PREC e emite NF. No local não foi constatada venda de cachaças artesanais ou industrializadas.

Viçosa do Ceará
• Cachaçaria Mapirunga: não apresentou LS, CDC e LR; foram feitos registros fotográficos para posterior análise pelo MAPA de possíveis irregularidades;
• Casa dos Licores: não apresentou CDC e LR; foram feitos registros fotográficos para posterior análise pelo MAPA de possíveis irregularidades.

Quinta-feira (17/10/2019)

Ubajara
• Mercadinho Tonildo: não apresentou LS, CDC e LR; o local vendia cachaça artesanal sem rótulo e em garrafas pet; foi feita coleta para análise posterior do MAPA;
• Mercadinho Gicele: não apresentou LS, CDC e LR e também não apresentou AF atualizado. A venda de cachaça artesanal também não era registrada junto ao MAPA; foi feita coleta para análise posterior do MAPA.

Carnaubal
• Mercadinho Araújo 2: não apresentou AF e CDC e também não apresentou LS atualizada; o local vendia cachaça artesanal sem rótulo e em garrafas PET; foi feita coleta para análise posterior do MAPA.

Sexta-feira (18/10/2019)

Ipueiras
• Bomboniere Mariu’s: não apresentou AF, LS e LR; foi constatada venda de cachaça artesanal sem registro junto ao MAPA; foi feita coleta para análise posterior do MAPA;
• Mariano dos Frangos: não apresentou CDC e LR e AF atualizado.

Como denunciar?
A denúncia pode ser feita no Decon, na Rua Barão de Aratanha, nº 100, no Centro de Fortaleza ou através do telefone 0800-275-8001.

MPCE


William Bonner e Renata Vasconcelos receberam Taís Lopes e Thiago Rogeh nesta sexta-feira (18), na bancada do Jornal Nacional, que fica localizado no Rio de Janeiro. Os convidados apresentaram rotinas e expectativas para a participação na bancada jornalística mais famosa do Brasil. Taís e Thiago assumem a apresentação do Jornal Nacional por um dia e, neste sábado (19), representam seus respectivos estados, Ceará e Tocantins.


Na bancada, Taís revelou quase ter tido um 'piripaque' ao receber a notícia que havia sido selecionada para participar do rodízio de apresendores na comemoração dos 50 anos do JN.

"Posso ser a caçula e pode ser um clichê, mas quase eu tive um 'piripaque'. Quando que vai passar pela nossa cabeça que vamos estar de frente para William Bonner e Renata Vasconcelos?", revelou Taís, que apresenta o Bom Dia Ceará, da TV Verdes Mares.

William Bonner e Renata Vasconcelos recebem Taís Lopes e Thiago Rogeh - Reprodução
Aos 29 anos, a jornalista celebra a conquista. "Uma felicidade enorme, mais que um reconhecimento profissional, é lição de vida de que nada é impossível. Você fazer sua parte, os caminhos vão se abrir, e olha para onde eles me levaram".

A dupla de Taís, Thiago Rogeh, comparou a experiência a ser "escalado para a seleção brasileira do telejornalismo".

Diário do Nordeste


A Rede Globo foi condenada pelo Tribunal Regional do Trabalho (TRT), do Rio de Janeiro, a indenizar Renato Oliveira Cardoso, o Renatinho, que trabalhou como diretor de palco do Domingão do Faustão. De acordo com o UOL, o tribunal entendeu que a emissora carioca não pagou integralmente algumas determinações previstas em contrato, entre elas acúmulo de funções, horas extras e reflexos.

Em agosto de 2018, o Tribunal Superior do Trabalho (TST) calculou a indenização em R$ 813.449,32. A Globo cumpriu a decisão e fez a transferência bancária ao ex-funcionário.

O ex-diretor de palco também alegou ter sofrido danos morais em virtude de comentários feitos pelo apresentador Fausto Silva durante o Domingão do Faustão. Mas a Justiça negou indenização por este motivo.

Cardoso trabalhou em diversas produções da Globo. No Domingão, ele atuou por nove anos, de assistente de produção a diretor de palco. Renato era regularmente chamado por Fausto Silva para conversas ao vivo no programa.

Segundo os advogados de Renatinho, Faustão dizia no Domingão que o ex-funcionário era "mulherengo" e que "havia sido noivo por oito vezes". Os advogados acrescentam que as declarações do apresentador em rede nacional "deram início a várias brigas entre o autor e sua ex-esposa" até culminar no término do matrimônio.

"Além de expor o Reclamante ao ridículo em rede nacional e internacional, os comentários do Sr. Fausto Silva iniciaram várias brigas entre o Autor e sua ex-esposa, até o momento em que o 'Faustão' declarou ao vivo que o Reclamante foi noivo por oito vezes, o que foi o estopim para o final do casamento do Demandante, sendo certo que a ex-esposa do Reclamante sequer ouviu suas explicações de que tais fatos jamais ocorreram", diz um trecho processo.

Renatinho alega no processo que tentou conversar com Faustão para que não fizesse mais comentários do tipo no programa.

O processo cita essas reclamações. "Solicitando ao mesmo que não veiculasse sua imagem com tais afirmações, ‘Faustão’ informou ao Autor que tal situação não podia mudar, e caso o Reclamante não quisesse mais ser intitulado daquela forma que se afastasse do programa 'Domingão do Faustão', bem como da Reclamada"

O ex-assistente acusou o apresentador de não dar atenção para sua reclamação e que Fausto Silva teria determinado sua saída da equipe do Domingão.


Justiça diz que Faustão fez brincadeiras sem constrangimento. O TRT concluiu que não houve dano moral. Fausto Silva não foi réu, apenas a Globo.

"O autor [Cardoso] sustenta, em suma, que, durante todo o período em que laborou no produto 'Domingão do Faustão', principalmente no ano de 2011, o apresentador denegria sua imagem, tendo sido chamado de 'galinha', 'mulherengo', e usando frases do tipo 'minha senhora, se seu marido não dá mais no couro, chama o Renatinho que atenderá suas necessidades'", relata a sentença.

"Ressalto que o mero fato de o apresentador fazer brincadeiras sobre mulheres não revela excesso ou abuso que cause constrangimento, humilhação, dor ou angústia", completa a decisão em 1º grau.

O jurídico de Renatinho recorreu contra a negativa do dano moral. Em 2ª instância, a Justiça manteve a decisão anterior (sentença).

"Compartilho do entendimento da sentença de que não há prova de que o apresentador tenha usado as expressões ou as frases sustentadas pelo Autor, sendo notório que se tratava de uma brincadeira combinada pela produção, não caracterizando, a meu ver, excesso ou abuso que causasse constrangimento, humilhação, dor ou angústia hábil a justificar o pagamento de indenização por danos morais".

De acordo com o Uol, a assessoria de comunicação da Rede Globo informou que não comenta processos judiciais. A reportagem procurou o jurídico de Cardoso e aguarda posicionamento oficial.

Testemunhas negam versão de Renatinho
Uma testemunha indicada por Cardoso ao TRT-1 deu opinião contrária sobre a acusação de dano moral. Ela disse que Fausto Silva costuma "brincar com todos" durante o programa, negando eventual perseguição.

Outra testemunha ouvida pelo Tribunal, desta vez indicada pela emissora, declarou que "Fausto costuma fazer brincadeiras com as pessoas que ele gosta mais e que nunca presenciou tratamento pejorativo com Cardoso".

Cardoso trabalhou por 14 anos na emissora. Demitido em 2012, ele acionou a Globo na Justiça em 2014.

Após o depósito da indenização efetuado no ano passado pela Globo, o jurídico do ex-funcionário pediu impugnação à sentença de homologação, argumentando que o valor da indenização é maior. O processo continua tramitando.

Correio 24horas


Após 23 anos na Globo, a jornalista Glenda Kozlowski, 45, não é mais funcionária da empresa. A informação foi divulgada nesta sexta-feira (18) pelo colunista Flávio Ricco, do UOL, e confirmada ao F5 pela emissora.

"O Esporte da Globo e Glenda Kozlowski optaram, em comum acordo, por não renovar o contrato", informou em nota o canal.

Glenda era apresentadora do Tá na Área, do SporTV. Segundo a Globo, Fred Ring, que dividia o comando da atração com a jornalista, continuará a frente do programa.

Antes de se dedicar ao jornalismo esportivo, Glenda foi surfista de bodyboarding e ganhou cinco campeonatos nacionais e quatros campeonatos mundiais.

Ela entrou na Globo em 1996, onde atuou como repórter e apresentadora de programas como Esporte Espetacular e Globo Esporte. Também foi responsável por narrar os desfiles das escolas de samba do Rio de Janeiro de 2009 a 2013. Além disso, cobriu Olimpíadas e Copas do Mundo.

Desde janeiro deste ano, comandava o Tá na Área.

Outros vários jornalistas deixaram a Globo neste ano, como Mauro Naves, Ivan Moré e Dony de Nuccio. Muitos deles foram contratados pela CNN, caso de Cris Dias, Monalisa Perrone, Evaristo Costa e do casal Mari Palma e Phelipe Siani.

A reportagem não conseguiu contato com Glenda Kozlowski até a conclusão deste texto.

FolhaPress


Acusadas de passar para a imprensa os erros da apresentadora Maju Coutinho, recém ingressa no comando do Jornal Hoje, três jornalistas teriam sido demitidas por justa causa pela TV Globo.

Segundo o colunista Guilherme Beraldo, do A Tarde é Sua, da Rede TV!, as funcionárias trabalhavam na produção do vespertino e não viam Maju como boa opção para a bancada.

"Ah, ela errou tantas vezes isso, errou aquilo", disse ele, simulando uma conversa das ex-contratadas da emissora, que recentemente promoveu Maju.

Ainda de acordo com o colunista, uma sindicância foi aberta para levantar quem estava perseguindo a jornalista e novas demissões não são descartadas.

Correio 24horas


Principal porta de acesso para o ensino superior no Brasil, o Exame Nacional do Ensino Médio ( Enem ) agora também é aceito pelo Instituto de Estudos Superiores de Fafe (IESFafe), em Portugal . Esta é a 42ª instituição portuguesa a adotar a prova. No Brasil, em 2018, foram mais de 200 mil vagas em todas as universidades federais no país disputadas por quem fez a prova.

Neste ano, no entanto, algumas instituições já anunciaram que não utilizarão o exame ou mudarão o seu uso em sua seleção. Ainda assim, o Enem continua sendo a principal prova nacional e a segunda maior do mundo.

Entre as universidades nacionais, o Enem é utilizado majoritariamente através do Sisu , um sistema que centraliza as vagas das instituições de ensino superior federal no país e utiliza a nota da prova como critério de seleção.

Ao entrar no Sisu, o candidato pode escolher duas opções de curso para concorrer e, enquanto o sistema estiver aberto, ele pode mudar suas escolhas . Cada instituição escolhe a forma que vai adotar a nota do Enem. Pode ser desde a média simples das cinco provas feitas, bonificação para alguma prova em determinado curso, média mínima para entrar ou uma nota mínima.

O Sisu também já pede se o candidato vai concorrer em ampla concorrênica ou disputará em vagas reservadas por ações afirmativas como cotas raciais e estudantes de colégio público.

Em qualquer uma das escolhas, o candidato deve ficar atento enquanto o sistema está aberto, pois diariamente ele mostra como está a nota de corte em cada curso. Dessa forma, o estudante pode alterar sua opção caso perceba que não terá chances. Ao final do último dia, o sistema fecha e fornece a lista final de quem foi aprovado e quem não conseguiu, mas poderá ficar na lista de espera por uma vaga ociosa.

Universidades no Brasil e em Portugal
Desde que assumiu o novo modelo de prova, o Enem passou a ter adesão das universidades federais e de algumas universidades estaduais. Cada instituição escolhe como vai utilizar a prova. Algumas podem destinar todas as suas vagas para o Sisu, outras reservam um percentual e algumas ainda utilizam o exame como uma bonificação em seus vestibulares tradicionais.

Mas, para quem quiser estudar fora do Brasil, o Inep , autarquia federal que organiza o Enem, possui convênios com 42 instituições do ensino superior portuguesas.

Universidades que deixaram de usar o Sisu
Apesar da força do exame nacional e internacionalmente, nos últimos meses algumas instituições anunciaram que não vão usar o Sisu ou vão alterar a forma de utilização do sistema e até mesmo da prova.

A Universidade de Brasília (UnB) anunciou que usará a nota do Enem nos mesmos moldes que fez nas últimas edições, mas não participará do Sisu. A decisão se dá por uma percepção de que os alunos se inscrevem em cursos devido a nota de corte, e não por quererem estudar aquela graduação. Com um sistema próprio, a instituição espera atenuar esse tipo de escolha.

Já a UFRGS diz que manterá 30% das vagas reservadas para o Sisu, utilizando a nota do Enem. Porém, a universidade utilizava a nota do Enem como uma forma de complementação de nota ao seu vestibular tradicional. Para a edição do ano que vem, a instituição federal afirmou que não contará mais com essa bonificação.

ProUni
O Programa Universidade para Todos ( ProUni ) fornece bolsas parciais ou integrais em graduações de universidades privadas. Para participar, o candidato deve ter cursado o ensino médio em colégio público ou ter tido bolsa integral em colégio particular. Pessoas com deficiência e professores da rede pública também podem pleitear. Outro critério é o de renda. Para bolsas integrais, o candidato deve ter renda familiar bruta mensal de até um salário mínimo por pessoa. Para as bolsas parciais, a renda deve ser de até três salários mínimos brutos por pessoa.

Para o processo regular do programa é utilizada a nota do Enem do ano anterior a seleção. Os candidatos que tiraram menos de 450 pontos na média das notas da prova do Enem ou zeraram a redação não podem participar.

De 2004 a 2018, o programa já concedeu 2,47 milhões de bolsas, sendo 695 integrais.

Fies
O Fies também é um programa voltado para o ensino superior em instituições privadas. Porém, ao contrário do ProUni que concede bolsas, o Fies disponibiliza um financiamento para o aluno, que será pago ao governo nos anos seguintes à sua formação.

O programa passou por diversas transformações após casos de fraude ou de não pagamento e atualmente trabalha de forma que o beneficiário paga mensalmente, durante o curso, um valor de coparticipação da mensalidade. Após o término da graduação, o saldo devedor será pago em parcelas calculadas de acordo com a realidade financeira do profissional.

O critério de seleção também utiliza a nota do Enem para escolher os beneficiários. O candidato pode usar sua nota de qualquer edição desde 2010, mas a média das provas devem ser igual ou superior a 450 e não pode zerar a redação.

O Globo