Morre Reynaldo Bignone, o último presidente da ditadura militar da Argentina

Por: Ipu Online em | 7.3.18 | 0 comentários

Bignone, que morreu no Hospital Militar Central de Buenos Aires, onde estava internado, entregou em dezembro de 1983 o comando do país ao primeiro chefe de Estado da atual democracia, Raúl Alfonsín.

Reynaldo Bignone em 10 de abril de 2010 (Foto: AP )
Reynaldo Bignone, último presidente da ditadura militar da Argentina, entre 1982 e 1983, e condenado à prisão perpétua por crimes contra a humanidade, morreu nesta quarta-feira (7) aos 90 anos, informaram veículos de imprensa locais.

Bignone, que morreu no Hospital Militar Central de Buenos Aires, onde estava internado, entregou em dezembro de 1983 o comando do país ao primeiro chefe de Estado da atual democracia, Raúl Alfonsín, depois que este ganhou as eleições realizadas dois meses antes, após sete anos de ditadura (1976-1983).

Contra o ditador pesavam várias condenações perpétuas por crimes contra a humanidade cometidos durante o regime: roubo de bebês, torturas, privações ilegais da liberdade e formação de quadrilha são alguns dos delitos que figuram no seu histórico.

Nos últimos anos, Bignone foi condenado a diversas penas perpétuas por crimes contra a humanidade cometidos durante o regime: sequestro de bebês, torturas, privações ilegais de liberdade e formação de quadrilha, entre outros.

Nomeado presidente em 1º de julho de 1982, Bignone substituiu o deposto Leopoldo Galtieri após a derrota da Argentina na guerra das Malvinas contra o Reino Unido. Uma de suas primeiras medidas foi convocar eleições, mas também a destruição de toda a documentação sobre prisões, torturas e assassinatos de desaparecidos.

Além disso, sancionou uma Lei de Anistia para os membros das forças armadas sobre os atos cometidos contra milhares de pessoas que foi posteriormente foi derrubada por Alfonsín.

Embora em janeiro de 1984 tenha sido o primeiro militar detido e preso, acusado do desaparecimento e assassinato de soldados e por participar da "guerra suja" contra a subversão, foi libertado por disposição do Conselho Supremo das Forças Armadas meses depois.

Já em 2007, durante o governo de Néstor Kirchner, de 2003 a 2007, a Justiça declarou a inconstitucionalidade das leis de ponto final e obediência sancionadas em 1986 e 1987, assim como os indultos concedidos pelo ex-presidente Carlos Menem (1989-1999), e Bignone foi detido acusado de violação de direitos humanos e responsabilidade em sequestros ilegais e homicídios.

Agencia EFE


Arquivado em:

0 comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.