Sistema que traz chuvas para o Estado do Ceará se dissipou

Publicado por: Ipu Online em | 9.3.18 | 0 comentários

O quadro é preocupante, já que não se pode prever quando a Zona de Convergência Intertropical retornará

Na cidade de Sobral, na Zona Norte do Estado, onde choveu bastante em fevereiro, ontem caiu apenas uma leve neblina (Foto: Cid Barbosa)
Iguatu. O afastamento e dissipação da Zona de Convergência Intertropical (ZCIT) - uma extensa massa de nuvens que forma o principal sistema que traz chuvas nessa época do ano para o Ceará - traz preocupação para os produtores rurais e surpresa para os meteorologistas. Nos últimos seis dias, as precipitações deixaram de ser generalizadas no Estado e tornaram-se localizadas e reduzidas.

A ocorrência de veranicos é considerada normal. Os meteorologistas sempre lembram que o Semiárido nordestino é caracterizado por irregularidades das chuvas no tempo e no espaço geográfico. Mas o que provocou em primeiro momento o afastamento da ZCIT da costa cearense desde o último dia 4 e atualmente a dissipação do próprio sistema?

O supervisor da Unidade de Tempo e Clima da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), Raul Fritz, explicou que um centro de alta pressão formou-se na atmosfera superior, inibindo a convectividade, ou seja, a subida do ar úmido para formação de nuvens de chuva. "Esse fato é imprevisível, está associado às condições atmosféricas, mas não se sabe, segundo os modelos atuais, a causa e a sua duração", explicou. "A ciência ainda não domina todo esse conhecimento".


Ainda segundo Raul Fritz, as condições oceânicas permanecem favoráveis. No Oceano Pacífico Equatorial, continua o sistema denominado de La Niña, esfriamento das águas superficiais. No Norte do Oceano Atlântico Equatorial Sul, a temperatura permanece entre neutro e aquecido. "A umidade não está chegando a altos níveis, fica mais próxima da superfície e não se formam nuvens de chuva. Um centro de alta pressão impede essa conectividade", enfatizou.

As imagens de satélite mostram não só o afastamento da ZCIT, mas a sua dissipação, isto é, a ausência das nuvens. "É normal ocorrer durante a quadra chuva, ocasionando os veranicos, mas não se esperava para o início deste mês", reafirmou Fritz. "No momento houve uma dissipação até a costa da África".

Os modelos meteorológicos, entretanto, apontam para que a ZCIT comece a voltar, beneficiando inicialmente o Norte do Estado, a faixa litorânea, a partir da próxima semana. A ausência de chuvas ou diminuição delas traz dificuldades para a recarga dos principais reservatórios. A tendência é a queda do nível de água nos riachos e rios nos próximos dois dias.

"Para recarga satisfatória dos grandes açudes, vamos precisar de chuvas mais intensas e com maior regularidade", observa Fritz. A tendência para o trimestre (março, abril e maio) continua, segundo a Funceme, de ocorrência de chuvas acima da média. "Podemos, por exemplo, ter um fim de março e um começo de abril muito bons", estimou Fritz. "A nossa previsão é feita para a média geral, da quadra, e não mês a mês".

Mais afetada
A região dos Inhamuns e grande parte do Centro-Sul e Sertão Central enfrentam ausência de chuvas desde o último dia 4. "A chuva foi embora e isso já começa a nos trazer preocupação", disse o diretor de Políticas Agrícolas do Sindicato dos Trabalhadores Rurais (STR) de Tauá, Raimundo Cícero Pereira. "O dia amanhece nublado, mas logo o sol abre".

Os agricultores mostram preocupação. "A segunda quinzena de fevereiro animou todos os produtores com muitas chuvas em todo o Ceará que se estendeu até o início deste mês, mas o quadro mudou", observou o gerente regional da Ematerce, em Iguatu, Joaquim Virgolino Neto. "A terra está bem molha, mas se o veranico se estender o solo começa a secar e prejudicar o crescimento do plantio".

O secretário de Meio Ambiente e Políticas Agrárias do STR de Crateús, Luís Edvan Vieira da Silva, disse que, na maioria dos municípios da região, as chuvas continuam. "Estão mais fracas, isoladas, um dia chove em uma área, depois em outra, mas os agricultores continuam animados", frisou. A sangria do Açude Batalhão, em Crateús, fez com que fosse suspenso o fornecimento de água por meio da adutora do Açude Araras, em Varjota.

Reunião
No próximo dia 14, haverá em Iguatu a reunião de avaliação e alocação de água dos três maiores açudes do Ceará: Castanhão, Orós e Banabuiú. No encontro, promovido pelos Comitês de Bacias Hidrográficas dos Vales do Jaguaribe e Banabuiú haverá definição sobre os múltiplos usos da água (irrigação, consumo humano e dos animais).

"Por enquanto, a liberação de água do Castanhão para a Região Metropolitana de Fortaleza permanece suspensa", observou o gerente da Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh), em Iguatu, Lauro Filho. "Qualquer mudança será definida na reunião de Iguatu".

Diário do Nordeste
   

Arquivado em: ,

0 comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.