Cachoeira Véu da Noiva atrai turistas à Serra da Meruoca

Por Ipu Online — publicado | 5.4.18 | 0 comentários


Se entregar sem pressa às delícias de um banho refrescante em uma cachoeira de encher os olhos, escondida no meio da mata, ou buscar o merecido descanso, longe do barulho da cidade e de mais uma semana atribulada, hospedado em uma pousada rústica construída entre pedras e vegetação nativa, em meio ao som de pássaros e outros bichos da floresta, são alternativas para quem não quer fazer um passeio convencional de final de semana e busca mais contato com a natureza. E essa possibilidade de recarregar as energias está na Serra da Meruoca, encravada em pleno semiárido cearense, na região Norte do Estado, a 251 quilômetros de Fortaleza. A Serra abrange o município de Meruoca, onde se localiza sua sede, além de Alcântaras, Massapê e Sobral.

História
Meruoca, em língua tupi, quer dizer "morada das moscas", e essa cidade centenária, fundada por volta de 1727, por missionários portugueses, em franca colonização dos indígenas locais, teve toda a região da serra transformada em uma Área de Proteção Ambiental (APA), no ano de 2008, por conta do desejo dos seus pouco mais de 14 mil moradores de proteger toda a sua fauna e flora das ameaças da invasão imobiliária. A cidade ainda preserva um pouco de seu passado na conservação de edificações históricas, como a Igreja de Nossa Senhora da Conceição, marco inicial de sua fundação, além de outros prédios antigos encontrados também nos distritos de Palestina do Norte, Santo Antônio dos Fernandes, São Francisco e Santo Antônio dos Camilos.


Passeio
Formada por grandes áreas verdes, ainda resquícios de Mata Atlântica, e com uma altitude média de 670 metros, a Serra da Meruoca é um completo convite à aventura. Mas nesse tempo de Quadra Chuvosa, com temperaturas que podem oscilar entre os 18 e 22 graus, pela manhã, caindo um pouco mais à noite, revelando aquele friozinho típico de regiões serranas, é bom se agasalhar e se reconfortar, ou melhor, forrar o estômago, em uma das muitas opções da culinária local oferecidas ao longo da estrada de acesso.

A galinha caipira com pirão é o prato da moda, podendo chegar a R$ 60, o almoço completo, onde quatro pessoas comem bem, antes ou depois de se aventurar mata adentro. E dentre as muitas opções de lazer ecológico entre diversas trilhas e quedas d'água, a Cachoeira do Véu da Noiva, na localidade de São Bento, é um dos atrativos mais procurados nesse oásis em pleno sertão.

Acesso
A cerca de 6 quilômetros da sede do município, a localidade recebe turistas o ano inteiro; mas é no período das chuvas que o movimento aumenta. Depois de passar pela cidade, ainda na estrada principal, o visitante encontra a entrada de acesso à Cachoeira Véu da Noiva, construída, em parte, de calçamento. A via carroçável, sinalizada, é bastante acidentada e de difícil acesso, ainda mais no inverno, quando o cuidado deve ser redobrado. Mas quem busca por aventura, a dificuldade da chegada é apenas um detalhe, pois "o local faz valer a pena todo o esforço", diz o comerciante Paulo César Maia, proprietário do restaurante nas proximidades da cachoeira.


"A estrutura é simples e atende pessoas o ano inteiro. Mas, com a chegada da chuva, que deixa tudo verdinho, a força da água aumenta, assim como a quantidade de pessoas que querem mais contato com o verde", explica.

Cachoeira
O restaurante de seu Paulo César é o ponto onde o veículo é deixado, para que o passeio seja feito a pé. Por dentro da mata, o barulho da água, que desce a serra, enche os ouvidos, se misturando ao som dos pássaros. A cachoeira se esconde, quase por completo, por entre as árvores, num trecho de descida. Com cerca de 12 metros, o espetáculo das águas, enfim, abraça o turista. E foi justamente em busca desses momentos que o enfermeiro João Batista do Nascimento, vindo de Fortaleza, enfrentou o tempo chuvoso e o frio do final de semana para se banhar nas águas da cachoeira, em seu primeiro passeio para conhecer o lugar, tão falado por amigos. "A força da água é incrível. O som que ela produz e essa imagem que enche os olhos da gente, já valem o passeio. Quero volar mais vezes e trazer amigos".

Aconchego
Revigorado pelo banho, para lá de frio, o passeio pode se estender até a comunidade de São Vicente, onde o Portal Vida, recanto que trabalha o convívio em harmonia com a natureza, instalado na Meruoca, há 4 anos, recebe o visitante para divulgar os princípios da Permacultura e da Biodança, "norteados pela vida, que está no centro e, não mais pelo ser humano; onde se pode conviver com a arte, a beleza e todos os recursos naturais a serviço da sustentabilidade", ensina a proprietária da casa, Cássia Regina de Andrade, que ampliou a ideia à comunidade, de cerca de 800 moradores, que também disponibilizam hospedagem.


Nesse estilo de viver, entre pedras e plantas, a casa é feita de adobe, uma forma rudimentar de alvenaria, e taipa. A diária custa R$ 80, individual, com café, almoço e jantar.

Harmonia
A comida, feita em fogão à lenha, tem preferência pelo cardápio vegetariano, com opções verdes cultivadas no próprio espaço, que também pode servir outros tipos de alimento. O lugar também oferece passeios por trilhas, acesso ao artesanato local, que incentiva a geração de renda, além de oferecer uma agenda de cursos variados, ao longo do ano. "O Portal trabalha o turismo com base comunitária, integrado ao que a natureza oferece. Esse turismo, que pode ser de aventura, é realizado dentro de um ambiente simples, apesar do espaço estar conectado com a internet. Nosso apelo é por harmonia e uma maior interação com o verde", relata Cássia de Andrade, enquanto recebe novos hóspedes. "Eu moro em Sobral, mas não conhecia este lugar maravilhoso. Vim para passar o dia, e saio daqui renovado", afirma o técnico de enfermagem Wendell Eugênio de Moura, que veio com amigos.

Estrutura
Além de diversas, bicas, trilhas e outras opções de laser, quem busca por hospedagens mais convencionais na Serra, o município de Meruoca oferece sete empreendimentos cadastrados, com cerca de 456 leitos, distribuídos em 196 apartamentos.

Diferentemente do período da Quadra Chuvosa no Ceará, o aumento na procura por hospedagens mais demoradas, se dá entre os meses de junho e julho, considerados de alta estação, por conta das férias. "O ano todo, muitas pessoas procuram pelas belezas da Meruoca, quer seja numa visita demorada, ou apenas para passar o dia. Estamos em constante melhora dos acessos para que o turista se sinta mais próximo das comunidades, afim de voltar com mais pessoas. As opções são diversas, para aqueles que se sentem bem, em proximidade maior com o verde", convida a secretária de Cultura, Turismo, Esporte e Juventude da Meruoca, Fábia de Oliveira Santos.

Mais informações
Acesso à Serra da Meruoca
Saindo de Fortaleza pela BR-222. Passa por Sobral, segue pela CE- 440.

Diário do Nordeste



Categorias: ,

0 comentários

ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Ipu Online.