Lixo marinho é motivo de preocupação crescente no Ceará

Por: Ipu Online em | 14.5.18 | 0 comentários


Entre o vai e vem das ondas o mar pode trazer um misto de calmaria e de boas energias. Já no vai e vem dos homens, é o lixo quem se faz presença constante. A falta de educação ambiental acaba, então, por interferir na ordem natural das coisas: cada vez mais, resíduos adentram rios, mares e oceanos. Felizmente, na contramão desta degradação, existem verdadeiros guardiões do mar. São universidades, pesquisadores, mergulhadores. Todos em prol do controle da situação preocupante.

O Brasil é um dos 20 países que mais poluem o mar. Juntos, eles produzem 83% do plástico não gerido nos lixos que chegam aos oceanos. "Do total de lixo marinho, 80% têm origem terrestre, inclusive de um país para outro. É por isso que precisamos sensibilizar o mundo pela saúde dos animais marinhos. Eles estão morrendo por ingestão desses resíduos ou ficando presos e feridos por redes de pesca abandonadas, por exemplo", frisa Juaci Araújo, membro da Associação Brasileira de Lixo Marinho (ABLM).

"Temos a erosão costeira, ocupações irregulares, etc. A costa do Ceará quase toda está erodindo. O ser humano está cada vez mais dentro do mar e, obviamente, isso traz problemas", relata o pesquisador Augusto Bastos.

Essa aproximação, decorrente de uma urbanização desenfreada é também um dos principais fatores da enorme quantidade de lixo nos oceanos. São 70 toneladas retiradas de cinco anos para cá, reforça Juaci. A ABLM foi criada em 2013 e, desde então, trabalha sobre três pilares: a educação em relação ao meio ambiente, o monitoramento do nível de degradação e a própria coleta.

A gestão pública é sempre informada dos levantamentos como os da ABLM. Procurada pela reportagem, a Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace), a Secretaria do Meio Ambiente (Sema) e a Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente (Seuma) relataram atuar em seus devidos deveres, não tendo programas específicos sobre o problema.

Evento
Com o tema "Lixo Marinho", será realizada, em Fortaleza, a Segunda Semana do Mar (Semar), de 9 a 12 de junho deste ano. O Iate Clube vai receber palestras, exposições, debates e até práticas marinhas, como o mergulho. "A proposta é produzir conhecimento acerca do tema e também incluir um pouco de lazer", explica Augusto Bastos.

A abertura, no sábado (9), contará com o apoio de 20 mergulhadores, organizado pela Operadora de Mergulho Mar do Ceará. Eles, e quem se interessar, poderão retirar os resíduos submersos em um determinado ponto da Praia de Iracema. Ainda no primeiro dia haverá palestra com Amyr Klink, navegador brasileiro, sobre sua experiência em milhas náuticas.

A Segunda Semana do Mar é realizada por um coletivo de entidades que operam, estudam ou produzem conhecimento no mar, como a Mar do Ceará e têm o apoio da Marinha do Brasil, Universidade Federal do Ceará, Capitania dos Portos, Governo do Estado e Prefeitura de Fortaleza. (Colaborou João Duarte)

Diário do Nordeste

Arquivado em:

0 comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.