Morre jovem atacado por tubarão no Grande Recife

Publicado por: Ipu Online em | 4.6.18 | 0 comentários


O jovem que foi atacado por um tubarão, no domingo (3), na Praia de Piedade, em Jaboatão dos Guararapes, no Grande Recife, morreu nesta segunda-feira (4), no Hospital da Restauração (HR), no Derby, na área central da capital pernambucana. José Ernesto Ferreira da Silva chegou a passar por uma cirurgia, mas não resistiu aos ferimentos.

Com esse caso, deve subir para 65 o número oficial de ataques e para 25 a quantidade de mortes que integram a lista do Comitê Estadual de Monitoramento de Incidentes com Tubarões (Cemit), que registra os casos desde 1992, em Pernambuco. O órgão depende do laudo da morte, ainda não divulgado, para fazer a atualização dos dados.

De acordo com o HR, a morte ocorreu às 4h05. Segundo a assessoria de imprensa da unidade, José Ernesto deixou o bloco cirúrgico por volta das 21h30 do domingo, após amputar a perna esquerda e parte da genitália. O jovem ainda seguiu para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

O ataque ocorreu às 16h36 de domingo (3), na frente da igrejinha de Piedade, área considerada pelos bombeiros uma das mais perigosas na orla. Na área, ocorreram 12 registros de incidentes com tubarão, de acordo com o Cemit.

Segundo a corporação, os guarda-vidas avisaram ao jovem para que ele se aproximasse da faixa de areia, reforçando informações contidas em placas instaladas na região. No momento do alerta, ele foi mordido pelo tubarão.

José Ernestor, que morreu após ser atacado por tubarão, tinha 18 anos (Foto: Reprodução/Arquivo de família)
Após ser retirado da água, José Ernestor foi socorrido pelos Bombeiros e pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Primeiro, ele seguiu para o Hospital da Aeronáutica, também em Piedade. Em seguida, teve que ser transferido para o HR.

O jovem sofreu duas paradas cardíacas antes de ser submetido a uma cirurgia. Segundo o médico do Samu responsável pelos primeiros socorros, Wagner Monteiro, a mordida atingiu o fêmur da perna esquerda e parte do pênis do paciente.


No HR, o rapaz passou por um procedimento de pouco mais de três horas, na noite de domingo. Os médicos tiveram que amputar a perna esquerda para conter o sangramento. Os pais de José Ernestor estiveram na unidade de saúde. Abalados, eles afirmaram que o rapaz saiu de casa para ir para a praia sem avisar.

Após o incidente, o Cemit iniciou as investigações para avaliar o caso. "Temos equipes no Hospital da Restauração e na Praia de Piedade conversando com as pessoas que estavam presentes na hora em que o jovem foi mordido. A ideia é coletar o máximo possível de informações", afirmou o coronel Leodilson Bastos, presidente do órgão.

Depois da apuração, o Cemit deve se reunir para avaliar a situação. "Nessa reunião, há a proposta de gerar políticas públicas que possam mitigar incidentes com tubarão no futuro", diz Bastos.


Caso recente
O incidente ocorreu na mesma área em que um homem de 34 anos havia sido mordido por um tubarão em abril deste ano. Pablo Diego Inácio de Melo, natural do Rio Grande do Norte, teve os membros do lado direito do corpo amputados após o incidente.

Segundo o oficial de operações do Grupamento Marítimo (GBmar) que participou do atendimento, capitão Arthur Leone, o homem estava numa área sinalizada por placas, com água na altura da cintura, quando foi mordido. Após perícias, o Cemit confirmou que o homem foi mordido por um tubarão.

Os médicos chegaram a afrimar que o estado de Pablo era gravíssimo e que havia risco de morte. Após passar a respirar sem a ajuda de aparelhos, Pablo Diego conversou com a mãe no hospital. Ela disse que o filho contou que lutou com o tubarão ao ser atacado.

O caso de Pablo foi o 64º incidente com tubarão contabilizado pelo Cemit. Em nota divulgada na época, o órgão apontou que o incidente foi "presumivelmente provocado por tubarão tigre".
Depoimento
Em entrevista à TV Globo, o potiguar Pablo Diego Inácio de Melo afirmou que havia tirado o domingo de folga e estava jogando futebol na praia com alguns amigos. Antes de ir para casa, eles foram mergulhar no mar para tirar a areia do corpo. (Veja vídeo acima)

O banhista também afirmou que estava numa área rasa, com água na cintura, e achou que o tubarão era um amigo brincando com ele. Pablo Diego também relatou ter acordado no dia seguinte achando que o ocorrido tinha sido um pesadelo.

G1 PE


Arquivado em:

0 comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.