Saiba como Malala quer colocar 130 milhões de meninas na escola

Por: Ipu Online em | 16.7.18 | 0 comentários


Dezenas de ativistas de sete países, incluindo duas brasileiras, estão em Dubai, nesta segunda-feira (16), para um curso de intensivo de cinco dias sobre negociações, advocacy e tecnologia. As participantes foram escolhidas por lutarem pela educação de meninas.

O grupo foi levado para os Emirados Árabes Unidos com tudo pago pelo Fundo Malala. Esta será a primeira reunião com todos os membros da Rede Gulmakai, explica o G1.

Malala ficou internacionalmente famosa quando tinha 15 anos, após sobreviver a um atentado por insistir em ir à escola. Para a sua recuperação, a jovem recebeu muitas ofertas de dinheiro. Em 2013, já recuperada e vivendo no Reino Unido, a paquistanesa e o seu pai, o educador Ziauddin Yousafzai, anunciaram a criação de um fundo para ajudar "outras Malalas".

Agora, por meio da sua influência internacional, a jovem angaria apoio com a missão de ver as 130 milhões de meninas que ainda não têm acesso à educação na escola. O orçamento anual do fundo é de cerca de R$ 40 milhões.

O CEO do Fundo Malala, Farah Mohamed, explicou em entrevista ao G1 que o plano de ação da organização envolve:

- Lutar pelo acesso das crianças aos 12 anos de educação básica e de qualidade;

- A arrecadação de recursos junto a pessoas físicas e grandes empresas;

- A busca de ativistas de educação que já tenham um histórico de trabalho, mas que ainda não receberam apoio adequado para avançar na causa;

- A oferta de apoio financeiro, treinamentos e contatos a esses ativistas;

- Ampliar a voz de meninas e mulheres mais vulneráveis, principalmente nas comunidades mais vulneráveis.

Notícias ao Minuto

Arquivado em: ,

0 comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.