Dança é perspectiva diferente para tratar a depressão

Por Ipu Online — publicado | 23.9.18 | 0 comentários


Ela descolore a vida e tem o poder de imobilizar e roubar a motivação das pessoas até para as tarefas mais corriqueiras. Como tratamento complementar para a depressão, a dança é considerada eficaz para restabelecer a energia, a motivação e o equilíbrio no dia a dia do paciente.

"Estudos mostram que exercícios aeróbicos têm potencial de reduzir os sintomas da doença", explica a psiquiatra Giuliana Cividanes, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Pontua também que a atividade física regular prolonga os efeitos do tratamento medicamentoso por um período de até quatro anos.

Passos de cura
As terapias complementares são bem-vindas, a exemplo da dança. Nesse sentido, foi criado o projeto "Próximo Passo", idealizado pelo educador e coreógrafo Ivaldo Bertazzo com apoio da Libbs Farmacêutica.

Além de um vídeo documentário e uma exposição fotográfica, o projeto contou com mais de 1.100 inscritos. Desses, houve a participação de 40 voluntários, pessoas que já vivenciaram a depressão e que estavam dispostas a movimentarem o corpo e dançarem em busca do reequilíbrio.

Os selecionados seguiram um programa de quatro meses de ensaios e que foi consolidado pela apresentação de um espetáculo de dança em outubro de 2017. O documentário registrou a superação de cada um em relação à depressão, exemplos de quem conseguiu recuperar a energia, confiança e motivação, essenciais para viver bem.

O projeto "Próximo Passo" (www.oproximopasso.com.br) agora se expande para outras cidades atuando com escolas de dança parceiras, que oferecem desconto a pessoas diagnosticadas com depressão. Os participantes devem comprovar indicação médica e que estão aptos a fazer exercícios aeróbicos.

Diário do Nordeste

Categorias:

0 comentários

ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Ipu Online.