Justiça do CE determina que procurados pelas mortes 'Gegê do Mangue' e 'Paca' sejam incluídos na Interpol

Por Ipu Online — publicado | 23.9.18 | 0 comentários

Decisão é da 1ª Vara da Comarca de Aquiraz, local onde os dois homens foram assassinados.

Gegê do Mangue e Paca (nas fotos) foram encontrados mortos em um reserva indigena de Aquiraz, na Grande Fortaleza. — Foto: Reprodução/Divulgação
A Justiça determinou que os acusados de matar Rogério Jeremias de Simone, conhecido como "Gegê do Mangue", e Fabiano Alves de Souza, o "Paca", em Aquiraz, sejam incluídos no Canal de Difusão Vermelha da Interpol. Ao todo, dez acusados que tiveram as prisões preventivas decretadas por envolvimento nos assassinatos deverão ser incluídos na lista de procurados pela Organização Internacional de Polícia Criminal. A decisão é da 1ª Vara da Comarca de Aquiraz, na Grande Fortaleza.

Gegê do Mangue e Paca foram assassinados em uma esboscada no dia 15 de fevereiro. Os corpos foram encontrados em uma área de mata de uma reserva indígena em Aquiraz. Os dois eram apontados como chefes de uma das maiores facções criminosas do país.

A decisão dos juízes Mônica Lima Chaves, Edísio Meira Neto e Cristiano S. de Carvalho foi decretada tendo em vista a suspeita de que os envolvidos tenham deixado o Brasil. Com isso, a Justiça de Aquiraz pede com urgência que os mandados de prisão sejam divulgados internacionalmente por meio do Canal de Difusão Vermelha.

"Os acusados sobre os quais recaem as prisões preventivas decretadas tratam-se de pessoas envolvidas em organização criminosa com atuação em âmbito nacional e internacional, cujos indícios constantes na presente ação penal indicam que os mesmos estejam em outro país estrangeiro ou mesmo em território brasileiro na iminência de evasão", decretou.

Extradição
Na decisão, os magistrados ainda se comprometem a "requerer formalmente a extradição caso os procurados sejam localizados e presos no exterior, providenciando a versão da documentação para o idioma do país requerido com o fito de instruir o pedido diplomático no prazo concedido, na ocorrência dos procurados serem localizados e presos no exterior".

Apesar da determinação, até a manhã desta sexta-feira (21), os nomes dos dez procurados ainda não contam na lista do portal da Interpol. Um total de 116 brasileiros procurados pela Justiça constam no Canal de Difusão Vermelha.

Os mandados de prisão contra os dez acusados e a decisão também foram encaminhados para a Superintendência da Polícia Federal para que o órgão acompanhe o pedido.

Helicóptero usado em ataque a Gegê do Mangue foi apreendido em área de mata de Fernandópolis, no interior de SP — Foto: Divulgação
Gegê do Mangue e Paca
Os dois eram foragidos da Justiça de São Paulo e chefes de uma das maiores facções criminosas do país. Eles foram mortos com tiro no rosto e facada no olho. A polícia suspeitava que eles estivessem controlando o tráfico de drogas no Paraguai. Os dois estavam morando em um condomínio de luxo no Ceará.

Gegê do Mangue estava em Fortaleza há pelo menos seis meses antes de ser morto. Em Aquiraz, cidade onde foi achado morto, Gegê era dono de uma mansão num condomínio de luxo e vários carros importados. Os criminosos usavam o período de férias no Ceará para reencontrar familiares. Há fotos de Paca em um famoso parque aquático do estado e em praias como Jericoacoara e Canoa Quebrada em janeiro de 2017.

De acordo com o promotor de Justiça Lincoln Gakiya, o deslocamento do chefe da facção e do comparsa era feito sempre por aeronaves fretadas que saíam do Paraguai ou da Bolívia direto para o Ceará.

As investigações apontam que Gegê e Paca embarcaram em um helicóptero com destino à Bolívia, mas a aeronave pousou na reserva e os dois foram torturados e assassinados na manhã do dia 15. O piloto da aeronave está preso.

O dinheiro e os bens de Gegê do Mangue e de Paca foram bloqueados pela Justiça. São mansões em condomínios de luxo, casas de praia, talheres banhados a ouro e carros importados. Uma fortuna avaliada em mais de R$ 12 milhões.


Categorias: , , ,

0 comentários

ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Ipu Online.