Descoberta “oficina de múmias”próximo a pirâmides de Gizé

Por redação Ipu Online » publicado | 10.2.19 | 0 comentários

Segundo especialistas, sensacional achado permitirá penetrar nos segredos do embalsamamento. Local de mumificação também traz esperanças para turismo do Egito, em crise desde 2011.

Recipientes e sarcófagos em Saqqara podem conter segredo das múmias egípcias
Arqueólogos alemães e egípcios anunciaram neste sábado (14/07) ter descoberto uma "oficina de mumificação" perto da necrópole de Saqqara, no Egito. A equipe, que inclui pesquisadores da Universidade de Tübingen, encontrou um poço subterrâneo de sepultamento contendo diversas múmias, ataúdes de madeira e sarcófagos.

Máscara quebrada de múmia entre os artefatos recém-descobertos
Os cientistas acreditam que a revelação dessa câmara oculta de embalsamamento lhes permitirá identificar óleos específicos utilizados pelos antigos egípcios para mumificar seus mortos. "Estamos diante de uma mina de ouro de informação sobre a composição química desses óleos", comemorou o arqueólogo Ramadan Hussein.

Esperança para o turismo
Centenas de estatuetas de pedra, jarras e recipientes usados no processo de mumificação foram extraídos do interior das câmaras fúnebres. O achado mais significativo foi uma máscara de prata dourada, a segunda do gênero já encontrada, segundo o ministro egípcio de Antiguidades, Khaled al-Anani, para quem "isso é só o começo".

A necrópole de Saqqara é parte de Mênfis, a primeira capital do Egito Antigo e hoje Patrimônio Mundial da Unesco. A área abriga grande variedade de templos e tumbas, além das três pirâmides de Gizé.
"Oficina" abriga numerosas múmias
Os artefatos deverão ser expostos no Grande Museu Egípcio, atualmente em construção. O país tem esperanças de que as descobertas venham a reanimar sua indústria de turismo, em crise desde o levante político de 2011 e, mais recentemente, uma onda de atentados suicidas a bomba.

Deutsche Welle




Arquivado em:

0 comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Ipu Online.