Delegada descarta hipótese de tiro acidental em morte de criança pelo pai

Por redação Ipu Online | publicado | 10.4.19 | 0 comentários



Pai e filha foram enterrados na mesma sepultura. Parentes e amigos participaram do velório e do sepultamento nesta manhã. Choro e muitas indagações sobre o porquê do crime.

Tragédia familiar
A Polícia civil segue a linha de investigação que indica que o professor matou a filha com um tiro na cabeça, de espingarda, calibre 12, nesta segunda-feira, 8, por volta das 21h30, em uma residência da família localizada no sítio Tourão. E em seguida, suicidou-se enforcado.

delegada Regional de Polícia Civil de Russas, Viviane Almeida, afirmou que aguarda o resultado de laudos e da perícia, mas observou que o caso trata-se de um homicídio seguido de suicídio, descartando a possibilidade de tiro acidental. “Com resultado de perícia a gente tem informação mais técnica, ao que indica não se trata de acidente, a dinâmica dos fatos, como estava a cena, muito improvável, muito difícil ter sido acidental”, pontuou. Ela descartou, entretanto, que a criança tenha sido retirada de outro local.

O crime ocorreu em uma residência da família do professor, um local isolado, fazenda, mas que só estavam o pai e filha.

A delegada observou que se especula desentendimento familiar e que o professor passava por problemas de saúde. “Depressão ou outro distúrbio, mas vamos explicar no decorrer das informações”, disse Viviane Almeida. 

Tristeza 
O crime deixou moradores e policiais chocados. “Todos nós, policiais, peritos, mesmo acostumados com cenas pesadas, mas uma cena como essa comoveu a todos”, revelou a delegada.

Inicialmente acreditou-se em tiro acidental seguido de suicídio, mas agora mediante os fatos e comentários de parentes, a Polícia acredita em homicídio proposital seguido de suicídio.

Uma professora que pediu para não ser identificada lamentou o fato. “A gente fica triste, sem saber por que aconteceu uma tragédia como essa, uma pessoa boa”.

Em rede social, um sobrinho de Raimundo André, que não se identificou, relatou em áudio que após a morte da mãe do professor, há oito meses, o docente passou a fazer ameaças dizendo que iria matar a esposa e filhas e se matar. “Foi uma tragédia. A esposa quando soube que o pai havia levado a filha, Rayanna, para o sítio ficou desesperada e quando chegou ao local em companhia de uma outra filha de 14 anos viu a cena e foi um desespero”.

Os corpos do professor Raimundo André e da filha Rayanna foram examinados no IML da cidade de Russas e velados no Centro de Velório Anjo da Guarda.

Com colaboração de Erivando Lima, que gravou entrevista com a delegada regional de Russas. 


Diário do Nordeste

Arquivado em:

0 comentários

ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Ipu Online.