Arqueólogos descobrem vala de massacre de 5 mil anos atrás

Por redação Ipu Online | publicado | 11.5.19 | 0 comentários


Pesquisadores encontraram na vila de Koszyce, na Polônia, uma sepultura contendo vestígios de um massacre que ocorreu há cerca de 5 mil anos atrás, quando homens de famílias próximas saíram para caçar.

Com a análise de DNA dos esqueletos, cientistas descobriram que os cadáveres pertenciam às culturas antigas da Idade do Bronze. Além disso, foram comparados os genes de 15 indivíduos com dados de genomas antigos.

“O DNA mostrou os laços familiares de todos esses indivíduos. É a primeira vez que fomos capazes de obter esse nível de percepção genômica detalhada acerca de uma comunidade pré-histórica”, contou Morten E. Allen, arqueólogo, em entrevista ao jornal The Sun.

Os crânios dos mortos estavam massacrados. A datação de carbono mostrou que os corpos são do período de 2880 a.C até 2776 a.C. 

Foi descoberto que os cadáveres são relacionados. Algumas mães foram enterradas com os filhos em seus braços. Duas mulheres eram mães de duas crianças cujos ossos foram achados. Entre os homens, estavam presentes corpos de quatro meio-irmãos.

Como a vala tinha poucos esqueletos masculinos, os pesquisadores acreditam que o extermínio ocorreu quando os pais estavam longe da vilam, possivelmente para caçar. Os homens podem ter enterrado os mortos após o massacre, visto que as covas foram feitas de acordo com a proximidade familiar. Um exemplo é a o cadáver mais velho identificado, que era uma mulher, enterrada do lado de seus dois filhos.

Devido a artefatos encontrados nos túmulos, os arqueólogos apontam que os mortos são da cultura ânfora globular, povo que viveu na Europa e participou de guerras durante a Idade do Bronze. Um dos principais inimigos dessa comunidade eram os membros da cultura da cerâmica cordada, que se iniciou no final do neolítico.

Galileu


Arquivado em:

0 comentários

ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Ipu Online.