Igreja do Céu, em Viçosa do Ceará, deve apresentar revestimento original após reforma

Por redação Ipu Online | publicado | 3.8.19 | 0 comentários


As obras de reconstrução da Igreja do Céu, ponto turístico de Viçosa do Ceará, na chapada da Ibiapaba, iniciaram hoje (1º). A escultura do Cristo Redentor, que fica no topo da Igreja, e a torre que sustentava a estátua foram as mais atingidas e desabaram no último dia 31 de março. O templo já apresentava falhas na estrutura, detectadas em laudo feito em outubro de 2018.

O plano de reconstrução vai acontecer em três etapa. A primeira, iniciada hoje, será de estabilização das fundações, seguida da reconstrução da Torre e do Cristo, em setembro. Posteriormente, a obra será finalizada com os acabamentos e instalações elétricas. A obra deve durar três meses. A previsão de entrega é para o dia 1º de novembro.

          

Por se tratar de uma Igreja histórica, inaugurada em 1938, o plano de reconstrução vai preservar o projeto original. Nas obras, o que mais chama atenção é o atual revestimento do templo, hoje feito em pedras, que voltará a apresentar suas formas originais. “Serão retirados esse revestimento de pedras, que não é original, ela vai voltar o revestimento argamassado, com coloração branca”, aponta o professor Esequiel Mesquita.


A reabilitação da Igreja do Céu está sob o comando do professor de Engenharia Civil da Universidade Federal do Ceará (UFC), Esequiel Mesquita, que também é coordenador do Laboratório de Reabilitação e Durabilidade das Estruturas (Lareb). A Prefeitura de Viçosa do Ceará e a Diocese de Tianguá, que comanda a paróquia da cidade, estão em parceria para ofertar o financiamento das obras.

“Os projetos foram todos elaborados a partir de uma pesquisa histórica e ela respeita os traços originais da igreja e serão mantidos”, ressalta Esequiel. Para garantir a manutenção da originalidade, o Lareb acompanha todas as etapas da reconstrução.

Diário do Nordeste


Arquivado em:

0 comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Ipu Online.