Ceará é o estado do Nordeste com mais casos da Covid-19 em indígenas

Por redação Ipu Online » publicado em | 8.5.20 | 0 comentários

Segundo a Sesai, são nove confirmações da doença na população indígena do Estado. O número, no entanto, pode ser muito maior, segundo avaliação de lideranças. Eles alertam para alta subnotificação e criticam a ausência de testes
Segundo a Federação dos Povos Indígenas do Ceará, somente na etnia Tapeba são oito casos confirmados Foto: Fabiane de Paula
O avanço dos casos confirmados da Covid-19 nas comunidades indígenas cearenses é uma realidade amarga que evidencia velhas e históricas negligências a este povo. O Ceará já notificou nove indígenas confirmados com o vírus, o que torna o Estado com o maior número de casos no Nordeste e quinto do Brasil. Os dados são do boletim diário emitido pela Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), do Ministério da Saúde, divulgado às 17 horas de ontem (7). O número, no entanto, tende a ser maior, visto que há dificuldades na notificação dos casos.

Conforme a Secretaria de Proteção Social, Justiça, Cidadania, Mulheres e Direitos humanos (SPS), o Ceará possui mais de 35 mil indígenas em 20 municípios. Esta população é atendida, segundo a Sesai, por 24 Equipes Multidisciplinares de Saúde Indígena de 18 Unidades Básicas de Saúde Indígena (UBSIs).

Weibe Tapeba, liderança indígena e assessor jurídico da Federação dos Povos Indígenas do Ceará, avalia que o sistema de saúde indígena dos distritos sanitários não está correspondendo à urgência da pandemia. "Temos presenciado uma verdadeira omissão por parte do Governo Federal", avalia. Isto faz com que haja, por exemplo, "limitação de máscaras, álcool em gel e luvas para os profissionais de saúde" que atuam nas aldeias. "É uma realidade de diversos territórios indígenas do nosso Estado", acrescenta.

Testes rápidos
Outro ponto que dificulta a notificação dos casos e adoção de estratégia para mitigar a disseminação do vírus, é a quantidade limitada de testagem nos casos suspeitos. Esse cenário é generalizado. "É uma regra", lamenta Weibe. Segundo dados repassados pela Federação dos Povos Indígenas do Ceará, somente entre o povo Tapeba, no município de Caucaia, havia oito casos positivos em indígenas, até quarta-feira (6). O número era maior ao total observado no Estado pela Sesai (7), naquela mesma data. "Há uma divergência de informações entre os pólos-bases com a sede no distrito, em Fortaleza. E existe também uma falha de comunicação neste registro com a base do Ministério da Saúde", explica Weibe, ao considerar que o número de índios infectados é bem maior do divulgado pela Sesai. Uma fonte ligada ao Distrito Indígena, e que pediu para não se identificar, explicou que há um atraso no processo de envio das informações ao banco de dados da Sesai.

"O número pode dar divergência", reconhece. Ainda na comunidade do povo Tabepa, a Federação afirmou haver 11 casos suspeitos de estarem contaminados. Na mesma data, a Secretaria Especial contabilizava 17 casos em investigação em todo o Estado.

Outro agravante está no fato de somente os dados de aldeados serem contabilizados. "A própria Sesai não tem muito como acompanhar porque o Sistema de Saúde Indígena só permite o atendimento dentro dos territórios, na atenção básica. O indígena que está em contexto urbano não consegue ser notificado como paciente indígena com caso confirmado ou com óbito por conta da doença", critica Weibe.

Em nota pública, divulgada no fim de abril, a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) reconhece esta limitação e informa que tem recebido, diariamente, denúncias da falta de assistência e testagem para casos suspeitos no Nordeste. Neste cenário, Ceará e Pernambuco, que concentram a maior quantidade de casos confirmados do Nordeste, demandam maior atenção. "Os 14 povos indígenas que vivem no Ceará são grande vulnerabilidade para contaminação da Covid-19", diz nota da Apib.

Diário do Nordeste

Arquivado em:

0 comentários

Os comentários abaixo não representam a opinião do Ipu Online; a responsabilidade é do autor da mensagem.